Saltar para o conteúdo

Chuvas fortes e inundações na África Oriental causam pelo menos 155 mortes

Fonte: Wikinotícias

26 de abril de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Chuvas torrenciais e inundações na Tanzânia causaram 155 mortes e 236 feridos, afetando mais de 200 mil outras pessoas, disse o primeiro-ministro Kassim Majaliwa ao parlamento na quinta-feira.

“As fortes chuvas do El Niño, acompanhadas de fortes ventos, inundações e deslizamentos de terra em várias partes do país, causaram danos significativos”, disse Majaliwa ao parlamento. Ele instou as pessoas que vivem em áreas baixas a se mudarem para terras mais altas e instou os governos locais a garantirem que os suprimentos cheguem àqueles que perderam suas casas. Ele disse que mais de 51 mil famílias foram afetadas até certo ponto.

O primeiro-ministro também disse que a “degradação ambiental” contribuiu para a destruição. Ele culpou o desmatamento, as práticas agrícolas insustentáveis ​​e o pastoreio não regulamentado.

O El Nino, um padrão climático natural associado ao aumento das temperaturas em todo o mundo, agravou as chuvas anormalmente fortes que atingem a região da África Oriental. Em março, a Organização Meteorológica Mundial das Nações Unidas disse que o El Nino de 2023-24 foi um dos cinco mais fortes já registrados.

A chuva causou inundações, destruindo estradas e outras infra-estruturas importantes em vários países da região, incluindo o Quénia e o Burundi.

No Quénia, 35 pessoas morreram devido às inundações. Esse era o número de vítimas na segunda-feira e espera-se que aumente à medida que as enchentes continuam. Algumas partes de Nairobi permaneciam submersas até quinta-feira, com previsão de mais chuva.

No Burundi, cerca de 96 mil pessoas foram deslocadas devido a meses de chuvas incessantes, de acordo com relatórios das Nações Unidas e do governo no início deste mês.

Mais ao norte, na Somália, a agência humanitária da ONU disse que as chuvas de abril a junho têm se intensificado desde que foram relatadas enchentes repentinas em 19 de abril.

Inundações mortais não são incomuns na região.

Mais de 300 pessoas morreram no final do ano passado devido a fortes chuvas e inundações no Quénia, na Somália e na Etiópia, enquanto a região tentava recuperar da pior seca das últimas quatro décadas, que deixou milhões de pessoas com fome.

Entre finais de 1997 e início de 1998, cheias maciças deixaram mais de 6.000 mortos em cinco países da região.

Embora o El Niño esteja a enfraquecer lentamente após atingir o pico em dezembro, ainda afetará os padrões climáticos nos próximos meses.


Fontes[editar | editar código-fonte]