Centenas de imigrantes morrem afogados a caminho de Itália

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Agência VOA

Número de vitimas poderá ascender a mais de 700. Barco virou-se ao largo da Líbia

19 de abril de 2015

Centenas de imigrantes a caminho da Europa terão morrido ao largo da costa da Líbia quando o barco em que viajavam naufragou.

Receia-se que o numero de mortos poderá ascender a 700.

As autoridades disseram que 28 pessoas foram salvas e 24 corpos recuperados, mas que centenas de imigrantes estão dados como desaparecidos.

O barco virou-se a cerca de 193 quilómetros a sul da ilha italiana de Lampedusa, um dos destinos favoritos dos imigrantes que procuram chegar à Europa fugindo à violência e fome.

Dirigentes europeus apelaram a medidas imediatas para se resolver a crise de imigração ilegal em que milhares de pessoas de África e Médio Oriente estão a atravessar o mediterrâneo para alcançarem, a Europa em barcos pouco seguros.

O presidente francês François Hollande disse que as autoridades devem iniciar um combate ao tráfico de imigrantes que têm causado desastres marítimos que, apenas no ano passado. causaram a morte de cerca de 4.000 pessoas.

O Papa Francisco apelou à comunidade internacional tomar medidas para impedir desastres futuros.

O Papa disse que os imigrantes são na generalidade pessoas à procura de uma vida melhor e de felicidade.

Estima-se que antes do desastre deste fim de semana outros 500 imigrantes já tinha na travessia.

Aqui em Washington, onde se encontrava de visita desde sexta-feira, o primeiro-ministro italiano Matteo Renzi disse que o seu país tinha tomado a liderança em fazer frente à crise, mas acrescentou que é responsabilidade de toda a Europa, Norte de África e Médio Oriente porem um termo ao tráfico humano, em colaboração com as Nações Unidas.

Estima-se que só na última semana cerca de 10.000 imigrantes ilegais chegaram à Itália.

Notícia Relacionada[editar]

"Mediterrâneo: naufrágio mortal", Wikinotícias, 15 de abril de 2015.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati