Cazaquistão adotará o alfabeto latino após mais de 70 anos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira do Cazaquistão
Outras notícias sobre o Cazaquistão
Localização do Cazaquistão
Localização do Cazaquistão

Agência Brasil

7 de setembro de 2018

Cazaquistão, uma das 15 antigas repúblicas soviéticas, decidiu abandonar o alfabeto cirílico (usado na Rússia e em outros países eslavos) e retornar ao alfabeto latino depois de mais de 70 anos depois de abandoná-lo. Espera-se que a transição conclua em 2025, data limite para a execução de uma série de diretrizes no marco da Estratégia do Cazaquistão 2050, um plano destinado a levar a cabo reformas políticas, sociais e econômicas, aproximar o país dos outros 30 países mais desenvolvidos do mundo até o ano de 2050.

Kairat Sarzhanov, embaixador do Cazaquistão no Brasil, observou que, embora a mudança seja “drástica”, responde a fatores “pragmáticos e lógicos” e que seu objetivo é reforçar a modernização e a integração econômica do país. “O alfabeto latino é o sistema de escrita mais usado no mundo. É usado por 70% dos países. Em outras palavras, faz parte do sistema de comunicação internacional”, disse ele.

Sinalizou também que a ideia tem sido debatida há muito tempo. “Figuras públicas e especialistas no Cazaquistão mencionaram isso nos anos posteriores à independência [da antiga União Soviética, dissolvida em dezembro de 1991]. Mas a sociedade ainda não estava pronta. A questão voltou a tomar relevância em 2006, quando o presidente [Nursultan Nazarbaev, que havia ocupado o cargo desde que foi criado], instou os especialistas a retomar o debate sobre a mudança ao alfabeto latino”, declarou.

O país não só tem em conta a expansão das possibilidades econômicas, mas também a perspectiva cultural. A substituição do alfabeto cirílico pelo alfabeto latino, argumentou Sarzhanov, facilitará o aprendizado do inglês e de outras idiomas escritos com o alfabeto latino. “Além disso, a reforma permitirá que estrangeiros estudem o idioma do Cazaquistão”, afirmou.

Mencionou também a possibilidade de traduzir o cazaque das principais obras da literatura mundial e vice-versa. “Esperamos que a literatura cazaque, caracterizada pela sua tradição épica e lírica, esteja mais disponível no português e espanhol, e propicie a aproximação cultural e humanitária dos nossos povos”, apontou.

Globalização

Para Antônio Barbosa, professor de História Contemporânea da Universidade de Brasília (UnB), a decisão do Cazaquistão “é uma prova irrefutável” de que a história contemporânea “tenha globalizado”. “A [decisão] não é só econômica, mas também política, social e cultural. Hoje, o inglês representa o que o latim estava no Império Romano. Isto se deve à supremacia alcançada pelo capitalismo representado pelos Estados Unidos”, opinou.

Como exemplo, Barbosa mencionou a China, uma nação que desde a morte do líder comunista Mao Tsé-Tung, em 1976, tem tratado de integrar sua economia à do mundo ocidental. O professor também considera que, no Cazaquistão, essa integração pode compensar os custos sociais e financeiros derivados da mudança no sistema de escrita.

“Por muito alto que sejam os custos, me parece que os avanços serão muito mais significativos. Uma das razões pelas que a Índia tem conseguido em transformar em uma importante economia emergente é o fato de que a maioria de sua população é ensinada a ler e escrever em inglês”, apontou.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati