COVID-19: com 15.633 mortes, no Brasil aumento da taxa de óbito é de mais de 800% em 30 dias

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de maio de 2020

Foto meramente ilustrativa: uso de álcool gel é uma das medidas para evitar a contaminação

O Ministério da Saúde (MS) informou no início desta noite que o número oficial de mortes no Brasil devido à COVID-19 já chegou a 15.633 em todo território nacional. O órgão também anunciou que o total de infectados agora é de 233.142 e que 89.672 pessoas já se recuperaram da doença. Os três estados com mais óbitos são, nesta ordem: SP com 4.688, RJ com 2.614 e CE com 1.614.

Número de mortes subiu mais de 800% em um mês

Trinta dias atrás, no dia 16 de abril, o país registrava 1.924 casos fatais, o que representa um aumento de 812,525% na taxa de óbitos de lá para cá.

Estimativas indicam que pode haver 10 mil novas mortes nos próximos 10 dias

Com a taxa de mortalidade no Brasil em torno de 6 a 7% e tendo hoje 233.142 casos confirmados e 89.672 recuperados, dos 143.470 infectados ainda ativos e não-recuperados devem morrer, portanto, entre 8.500 a 10.000 pessoas nos próximos 10 dias. Esta estimativa se confirmou, por exemplo, entre os dias 06 e 16 de maio, pois no dia 6 de maio havia 73.818 casos ativos, não-recuperados, cuja cifra a uma taxa de 7% dava 5.169 possíveis novos óbitos. E, de fato, o número de óbitos neste período foi de 7.097 - uma prevalência maior até do que o esperado, possivelmente também por causa das notificações tardias, conforme tem sido anunciado diariamente pelo MS.

Comparativo das mortes diárias entre os dias 14 e 16 de abril e de maio

Média das mortes entre os dias 14 e 16 de abril: 198,66

  • 13 a 14: 204 (204 foi o número de novos óbitos registrado pelo MS do dia 13 para o dia 14 de abril)
  • 14 a 15: 204
  • 15 a 16: 188

Média das mortes entre os dias 14 e 16 de maio: 828,66

  • 13 a 14: 844
  • 14 a 15: 824
  • 15 a 16: 816

Na comparação, verifica-se que, enquanto morriam cerca de 200 pessoas por dia em meados de abril, este número agora é de mais de 800. No entanto, o número está abaixo do previsto pela Fiocruz, que estimou que o número de casos fatais dobraria a cada cinco dias. Como base nos prognósticos da instituição, o número hoje, em comparação a 16 de abril, deveria ser de 123.136.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com