Burkina Faso já tem novo presidente; Blaise Compaoré e seus familiares estão exilados na Costa do Marfim

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira do Burkina Faso
Outras notícias sobre o Burkina Faso
Localização do Burkina Faso
Localização do Burkina Faso
Blaise Compaoré deixou a Presidência formalmente ontem e partiu ao exílio com seus familiares ao Costa do Marfim.

Agência Brasil

1 de novembro de 2014

Burkina Faso

O número dois da guarda presidencial de Burkina Faso, o tenente-coronel Isaac Zida, anunciou hoje (1º) que assumiu as responsabilidades de chefe de Estado de transição. O anúncio foi feito após o chefe de Estado, Blaise Compaoré, ter confirmado sua demissão, para permitir a realização de eleições em 90 dias.

Isaac Zida assume os destinos do país para “assegurar a continuidade do Estado”, numa “transição pacífica e democrática”. Em discurso transmitido pela televisão, Zida classificou de “caducas” as declarações do chefe de Estado-Maior das Forças Armadas, o general Nabéré Honoré Traoré, que tinha revelado ontem (31) ter assumido interinamente a presidência.

O líder do regime de transição em Burkina Faso, o tenente-coronel Isaac Zida, anunciou, em nota, a reabertura das fronteiras aéreas, fechadas desde sexta-feira. As fronteiras terrestres continuam fechadas.

Exílio

A Presidência da Costa do Marfim confirmou hoje (1º) que o presidente demissionário de Burkina Faso, Blaise Compaoré, está exilado no país desde que pediu demissão do cargo, em meio aos protestos que exigiam a sua saída. “O presidente da República informa à população da Costa do Marfim e à comunidade internacional que o presidente Blaise Compaoré, sua família e parentes próximos foram acolhidos pelo país”, diz comunicado.

O presidente demissionário chegou à Costa do Marfim nessa sexta-feira (31) à noite. Falando em nome do presidente costa-marfinense, o chefe de gabinete Alassane Ouattara, que divulgou o comunicado, manifestou-se muito preocupado pela crise que Burkina Faso atravessa. “O presidente da República espera que esse país irmão regresse, o mais rapidamente possível, à paz e à estabilidade”, acrescenta.

Histórico

Esta semana, Burkina Faso viveu grave crise socio-política, depois que Compaoré decidiu promover uma alteração constitucional, permitindo-lhe continuar na chefia do Estado, função que assumiu em 1987, na sequência do golpe de Estado em que morreu o presidente Thomas Sankara.

As manifestações cresceram e intensificaram-se em todo o país na quinta-feira (27). Na capital, centenas de pessoas assaltaram e incendiaram o Parlamento, em protesto contra a votação da alteração constitucional permitindo o prolongamento do mandato de Compaoré.

Horas depois do ataque do Parlamento, Compaoré desistiu desse projeto de lei, mas no final da tarde, os militares anunciaram que o presidente pediu demissão do cargo depois de três dias de protestos violentos nas ruas do país exigindo a sua saída, após 27 anos no poder.

Compaoré justificou sua demissão com “a degradada situação socio-política e a ameaça de divisão dentro do Exército”, depois das grandes manifestações de cidadãos e da oposição exigindo sua saída.

Desde a independência da França, em 1960, até a posse de Compaoré (que chegou ao poder também protagonizado golpe de Estado contra Sankara) a história do Burkina Faso, antes conhecido como Alto Volta, caracterizou-se por uma sucessão de golpes de Estado.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati