Bangladesh registra cinco novas mortes por COVID-19

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de abril de 2020

Meerjady Sabrina Flora, médica de Bangladesh, professora de epidemiologia e especialista em Saúde Pública

Na terça-feira, Bangladesh confirmou cinco novas mortes por COVID-19 no dia. Este é o maior número de mortes em um dia devido ao vírus. Em 7 de abril, o Instituto de Epidemiologia, Controle e Pesquisa de Doenças de Bangladesh (IEDCR) informou que o número de casos confirmados registrados incluía 114 em tratamento e 33 recuperados que estavam em casa. Um total de 17 mortes foram registradas.

Em uma entrevista online, a diretora do IEDCR, Dra. Meerjady Sabrina Flora, disse que as mortes incluíram quatro homens e uma mulher. Segundo a Dra. Meerjady, dois casos tinham idade acima de 60 anos, dois entre 51 e 60 anos e um entre 41 e 50 anos. Ela também disse que duas das vítimas eram de Daca. Um funcionário do hospital disse à Agência Anadolu, uma agência de notícias local, que um dos mortos era Jalal Saifur Rahman, diretor da Comissão Anticorrupção Bengali, atendido no Hospital Maitree do Kuwait.

Em 4 de abril, em um anúncio online, o ministro de Transporte Rodoviário e Pontes de Bangladesh, Obaidul Quader, disse que o transporte público seria fechado por mais tempo do que o inicialmente planejado, até 11 de abril. Esse desligamento do transporte público começou inicialmente em 26 de março e estava planejado para terminar em 4 de abril, sendo permitido o transporte de bens essenciais ㅡ medicamentos, combustível e alimentos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou pandemia em 11 de março. Os primeiros registrados de infecção por COVID-19 em Bangladesh foram em 8 de março, em duas pessoas que retornaram da Itália e também na esposa de um deles. Em 19 de março, esses três já haviam se recuperado. Veja a seguir a evolução cronológica do número de mortes no país:

Número de mortes confirmadas no COVID-19 de Bangladesh.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com