Banco de Moçambique reduziu taxa-chave em 150 pontos base

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Edifício do Banco de Moçambique em Maputo.

19 de abril de 2020

Na última quinta-feira (16 de abril), o Comité de Política Monetária do Banco de Moçambique (o Banco Central moçambicano) reduziu sua principal taxa de juros em 150 pontos de base, para 11,25%. A decisão foi tomada em conexão com uma mudança significativa na previsão de inflação para o médio prazo e uma queda na demanda agregada devido ao impacto da pandemia do COVID-19 na economia doméstica e global.

O Comité também reduziu as taxas do Fundo Permanente de Depósitos e do Fundo Permanente de Crédito em 150 pontos base para 8,25% e 14,25%, respectivamente.

Os índices de reservas compulsórias para obrigações em moedas nacional e estrangeira permaneceram inalterados -11,50% e 34,50%, respectivamente.

Reduzir a inflação devido a um declínio acentuado na demanda doméstica devido às medidas restritivas do estado de emergência, bem como as perspectivas de redução no preço do petróleo tipo Brent no mercado internacional. Em março de 2020, a inflação anual em Moçambique desacelerou para 3,09% ante 3,55% no mês anterior.

Espera-se que o impacto económico da COVID-19 seja grave em Moçambique, uma vez que a economia já está enfraquecida devido aos efeitos dos ciclones de Idai e Kenneth, além de confrontos armados nas regiões norte e central do país. A combinação desses fatores, de acordo com o comité, levará a um declínio nas indústrias de mineração e manufatura, transporte, comércio e serviços, bem como nos negócios de hoteis e restaurantes, que representam 58% do Produto Interno Bruto (PIB). Perspectivas para alcançar um bom desempenho na agricultura, um sector com um peso médio de 25% do PIB, pode não ser suficiente para mitigar os efeitos negativos em outros sectores da economia.

As reservas cambiais, são cerca de 3 900 milhões (ou 3,9 bilhões no Brasil) de dólares norte-americanos, estão em um nível confortável suficiente para cobrir mais de 6 meses de importações.

A recente redução da dívida de cerca de US$ 15 milhões pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) permitirá a captação de recursos adicionais para combater o COVID-19, mas as altas demandas da economia podem implicar um aumento nos gastos do governo em meio a um acentuado declínio nas receitas do governo. Desde fevereiro de 2020, a dívida pública doméstica, com excepção dos contratos de empréstimos e leasing, bem como as obrigações em atraso, aumentou de 155,256 milhões para 160,756 milhões de euros.

Em 19 de abril, 39 casos de COVID-19 foram relatados em Moçambique.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com