Atlântico Norte esconde um mar de lixo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


19 de agosto de 2010

Milhões de pedaços de plástico, sendo a maioria menor que um centímetro, flutuam ao longo dos oceanos. Estes fragmentos são indetectáveis pelos satélites e, excepto em dias muito calmos, facilmente imperceptíveis a quem anda no mar. A forma que os cientistas encontraram para calcular as quantidades de plástico presente nas águas do atlântico Norte foi filtrar enormes quantidades de água, e analisar os sedimentos filtrados.

As medições foram efectuadas por estudantes, e durante mais de duas décadas foram feitas 6100 apanhas de lixo com redes de plâncton, tendo-se retirado 64 mil pedaços de plástico, sendo que 83 por cento do plástico que se apanhou estava situado na região entre as Bermudas e os Estados Unidos. A maioria dos pedaços tem milímetros de comprimento e é composto por polietileno e polipropileno, materiais menos densos que flutuam na água.

Para determinar a proveniência dos plásticos, os cientistas usaram mais de 1.600 dados de satélites entre 1989 e 2009 nas correntes de superfície da região.


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati