Armênia considera bombardeio azerbaijano como "terrorismo"

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

4 de novembro de 2020

link=mailto:?subject=Armênia%20considera%20bombardeio%20azerbaijano%20como%20"terrorismo"%20–%20Wikinotícias&body=Armênia%20considera%20bombardeio%20azerbaijano%20como%20"terrorismo":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Arm%C3%AAnia_considera_bombardeio_azerbaijano_como_%22terrorismo%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Armênia+considera+bombardeio+azerbaijano+como+"terrorismo"&url=https://pt.wikinews.org?curid=65957 WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=Armênia%20considera%20bombardeio%20azerbaijano%20como%20"terrorismo"%20–%20Wikinotícias&body=Armênia%20considera%20bombardeio%20azerbaijano%20como%20"terrorismo":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Arm%C3%AAnia_considera_bombardeio_azerbaijano_como_%22terrorismo%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Ministério das Relações Exteriores da Armênia considerou o bombardeio de hospitais azerbaijanos na República de Artsaque uma manifestação de terrorismo de Estado.

Em 3 de novembro, as forças armadas do Azerbaijão atacaram novamente a infraestrutura civil, em particular, o Centro de Saúde Materna em Stepanakert. Há feridos.

“O bombardeio contínuo de instituições médicas em Stepanakert pelas forças armadas do Azerbaijão reafirma o objetivo da liderança político-militar do Azerbaijão: infligir o máximo de dano à população civil de Artsaque, especialmente mulheres e crianças que estão longe da linha de frente”, disse o ministério.

“Esta é mais uma manifestação do terrorismo de Estado, perpetrado pelo Estado, que, graças aos esforços da Turquia, já se transformou num centro de acumulação de terroristas e militantes internacionais no Sul do Cáucaso”, afirma o relatório.

O Ministério das Relações Exteriores da Armênia declarou que, nas condições da ameaça existencial criada para o povo de Artsaque, as autoridades e o Exército de Defesa têm o direito inalienável de defender sua população e contra-atacar o inimigo.

Em 30 de outubro, Erevã e Baku concordaram que não atacariam deliberadamente civis ou alvos não militares de acordo com o Direito Internacional Humanitário, mas a partir do dia seguinte, as Forças Armadas do Azerbaijão continuaram mirando nos assentamentos pacíficos de Artsaque.

Fontes

((ru)) «Еще одно проявление государственного терроризма»: МИД Армении об обстреле Азербайджаном роддома в Карабахе — Panarmenian, 4 de novembro de 2020