Adolescente austríaca lamenta suicídio de seu sequestradror

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

28 de agosto de 2006

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Uma austríaca de 18 anos, que foi mantida em cativeiro por um homem de 44 anos no porão de sua casa por oito anos, disse que está de luto pelo suicídio dele, que ele cometeu depois que ela escapou dele.

Natascha Kampusch, raptada a caminho da escola há oito anos, tinha feito "parte da vida [de seu sequestrador]". A polícia e os investigadores, incapazes de encontrar uma única pista ou pista de seu paradeiro, tinham praticamente perdido as esperanças de encontrá-la viva e bem até a semana passada, quando Natascha fugiu de seu sequestrador, Wolfgang Priklopil, um técnico de telecomunicações depois que ele deixou sua limpeza seu carro para atender o telefone. O sequestrador de Natascha, Wolfgang Priklopil, cometeu suicídio horas depois da fuga de Natascha, jogando-se na frente de um trem poucos minutos depois de perceber sua fuga. Ao ouvir sobre a morte de Priklopil, Kampusch escreveu "...[Priklopil] fez parte da minha vida, por isso de certa forma estou de luto por ele". Os psicanalistas acreditam que Kampusch pode estar sofrendo da Síndrome de Estocolmo, uma condição psicológica em que os prisioneiros começam a sentir empatia e até mesmo afeto por seus sequestradores. Os psicanalistas estão bem representados em Viena como Sigmund Freud, o fundador da Psicanálise foi vienense. Depois de oito anos com seu raptor, Kampusch passa o tempo recebendo cuidados de psicólogos em um local secreto, longe da mídia e de seus pais. Natasha falou primeiro, mas depois tornou-se mais reservada e relutante em responder às perguntas. Um psiquiatra temia um "trauma tardio".

Os pais de Kampusch expressaram sua frustração por não terem sido autorizados a ter acesso à sua filha. Mesmo assim, a equipe psiquiátrica com a menina disse que Kampusch precisa de tempo para se reajustar à vida no mundo exterior. Em uma carta aos pais, Kampush afirmou que eles teriam "...todo o tempo do mundo..." assim que ela se acostumasse com o exterior. Os psicólogos afirmam que ela pode levar uma vida futura normal, mas provavelmente exigirá anos de terapia psicológica. Ludwig Koch, seu pai, disse: "Natascha é muito magra, tem a pele muito, muito branca e manchas em todo o corpo. Não quero pensar de onde vêm". Ela pode estar suprimindo o abuso físico ou sexual. No início, ela teve que chamar seu captor de "mestre" ou "senhor".

Fontes[editar | editar código-fonte]

en Austria kidnap girl mourns captor [Garota raptada da Áustria fica luto pelo sequestrador ] — BBC News Online, 28 de agosto de 2006. Página visitada em 29 de novembro de 2021. Arquivada em 9 de novembro de 2006

en Further details emerge of Austrian kidnapping case [Mais detalhes emergem do caso de sequestro na Áustria] [inativa] — The Raw Story, 25 de agosto de 2006. Página visitada em 29 de novembro de 2021. Arquivada em 8 de novembro de 2006

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit