A verdadeira revolução na Coreia do Norte

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

28 de agosto de 2017

Enquanto Kim Jong-un nas últimas semanas ganhou atenção por sua ameaça de disparar mísseis perto de Guam, sua política também se concentra no desenvolvimento da economia.

A aceitação de uma economia mais favorável ao consumidor deve promover o crescimento econômico e trazer lucros para os cofres do regime. Mas assim como a busca de armas nucleares, é um negócio arriscado.

Sob o novo plano de cinco anos para a economia anunciado em maio passado, as fábricas estão colocando a nova prioridade em fazer mais e melhor uso diário de bens de consumo. Os gerentes têm mais liberdade para decidir o que fazer, quanto pagar seus trabalhadores e como forjar parcerias lucrativas.

Ao longo das estradas em praticamente todas as cidades, vendedores ambulantes, geralmente mulheres idosas, vendem frutas, vegetais e outros alimentos. Nas cidades, mercados, lojas e lojas de departamento estão cheios de pessoas. As prateleiras mostram dezenas de marcas de cigarros fabricados no mercado interno, refrigerantes açucarados ou sopas enlatadas. Embora o uso de dólares dos EUA ou Renminbi chinês permaneça generalizado, mais pessoas estão usando cartões pré-pagos sugerindo maior poder de compra.

"Na Coréia do Norte de hoje, há uma crescente concorrência entre as próprias empresas nacionais ao tentar atrair clientes e estabelecer marcas respeitáveis", disse Michael Spavor, um empresário canadense que visita o Norte com frequência e é um dos poucos ocidentais a conhecer Kim Jong-un.

O regime não é cego para o que está acontecendo. Sabe que o novo consumismo pode ser uma força desestabilizadora. Mas também sabe que precisa dos mercados.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati