Índia bane 117 aplicativos chineses

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3 de setembro de 2020

O Ministério de Eletrônica e Tecnologia da Informação da Índia proibiu a versão móvel do jogo online "PUBG" da empresa chinesa Tencent Games. Outros 117 aplicativos chineses também serão bloqueados no país.

A agência afirmou que isso está "relacionado a atividades que minam a soberania e integridade da Índia, bem como a segurança nacional e a ordem pública". De acordo com as autoridades, a proibição protegerá os interesses de dezenas de milhões de usuários de Internet e dispositivos móveis na Índia.

Anteriormente, o departamento teria recebido muitas reclamações de que alguns programas coletavam dados pessoais dos proprietários de dispositivos e os transmitiam para servidores fora da Índia. As autoridades acreditam que essas atividades podem ameaçar diretamente os interesses e a soberania nacionais. Além disso, o Centro de Crimes Cibernéticos do Ministério do Interior da Índia também recomenda o bloqueio de programas maliciosos.

Alguns meios de comunicação locais relacionaram a proibição à crescente tensão entre a Índia e a China em East Ladakh. No início de maio, houve um confronto envolvendo 250 soldados chineses e indianos na região. Em meados de junho, houve um novo confronto entre soldados chineses e indianos perto do rio Calvin e houve outro incidente no último fim de semana, quando o Ministério da Defesa indiano relatou que uma nova "provocação" ocorreu em East Ladakh.

Nesse contexto, as autoridades indianas baniram o uso de 59 programas, incluindo a rede social chinesa TikTok, em junho. Há relatos que, no final de julho, 47 aplicativos foram adicionados à lista de programas proibidos.

De acordo com as estatísticas do canal NDTV, há 33 milhões de jogadores ativos no PUBG na Índia.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com