Violação de direitos humanos diminui ainda mais no Mali, dizem especialistas

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A segurança dos civis no Mali melhorou nos últimos anos, mas o país deve permanecer vigilante, segundo especialistas em direitos humanos.

Alioune Tine, que foi nomeado em 2018 pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas para ajudar o governo maliano a proteger seus cidadãos, visitou o país de 8 a 17 de fevereiro.

Durante uma conferência de imprensa por vídeo na terça-feira, Tine observou uma melhoria na segurança nas partes central e norte do país. No entanto, ele também expressou preocupação com a retirada de parceiros internacionais do Mali depois que a França anunciou em 17 de fevereiro que suas tropas partiriam devido a tensões com o governo militar.

Tine encerrou suas observações pedindo “estratégias de segurança mais integradas focadas na proteção das populações civis e seus direitos humanos fundamentais”.

A melhoria da situação de segurança coincide com uma ofensiva militar nos últimos meses pelo exército do Mali. Alguns ativistas dizem que a ofensiva envolveu prisões arbitrárias e desaparecimentos entre os Fulanis, um grupo étnico que reside principalmente no norte e centro do Mali. Fulanis dizem que muitas vezes são injustamente acusados ​​de serem jihadistas.

Ibrahim Diallo é membro de duas organizações culturais. Ele disse que durante uma recente ofensiva em Niono, na região de Segou, no Mali, alguns jovens Fulani fugiram quando viram o exército, temendo que pudessem ser injustamente alvejados. Enquanto fugiam, disse Diallo, eles foram alvejados.

Diallo disse que conhece duas pessoas que foram baleadas e soube que elas morreram, mas não viu os corpos.

Aly Barry é médica da região de Mopti, no centro do Mali, e membro de uma associação Fulani. Ele disse de Bamako por meio de um aplicativo de mensagens que os avanços bem-sucedidos do exército maliano são "inegáveis", mas que as ações impactaram negativamente os direitos humanos dos civis.

Barry disse que algumas dezenas de pessoas foram presas em 20 de fevereiro em Niono, mas ele não sabe se elas estão na prisão ou mortas.

Aguibou Bouaré é presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos, uma organização governamental que investiga independentemente acusações de abuso de direitos humanos no Mali. Bouaré confirmou que a situação de segurança no centro e norte do país melhorou, mas disse que a comissão está preocupada com os abusos dos direitos humanos durante os últimos meses de "aumento" pelo exército maliano.

Ele disse que seu grupo está registrando alegações de violações de direitos humanos que são atribuídas às forças de segurança armadas durante este período e que as investigações continuam.

Fontes