Venezuela diz "não" para referendo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3 de dezembro de 2007

Na madrugada desta segunda-feira(03/11), foi divulgada a primeira parcial do referendo popular da reforma constitucional venezuelana: vantagem de 50,70% por parte do "não" (contrário à reforma constitucional segundo o modelo proposto) contra 49,29% pelo "sim" (a favor da reforma). Dessa forma, a Venezuela rechaçou o referendo para a reforma constitucional convocado pelo presidente Hugo Cháves. Mais de nove milhões dos 16 milhões de eleitores venezuelanos emitiram seu voto no domingo e houve uma abstenção de 44,11%.

O resultado foi apresentado pela presidenta da entidade eleitoral, Tibisay Lucena, pouco depois da meia-noite, hora local da Venezuela, 9 horas após o fechamento das urnas. Ela afirmou: "Pedimos a todos os atores políticos (...) que acatem e respeitem os resultados eleitorais porque esta é a vontade soberana do povo da Venezuela(...) Analisando os resultados pode-se dizer que esta é uma tendência que não é reversível [sobre parcial até o momento]".

No domingo foi decidido o destino das 69 emendas à Constituição propostas pelo Presidente Hugo Chávez, que disse querer "levar a Venezuela rumo ao Socialismo". Uma das mais polêmicas emendas pretendia criar a reeleição infinita para presidente.

Reação de Chávez

Minutos depois de apresentado o primeiro boletim por parte do CNE, o Presidente Hugo Chávez, reconheceu a derrota: "Não se sintam tristes nem afligidos"..."Felicito a meus adversários por essa vitória, estamos prontos para uma longa batalha", assegurou.

Com o resultado do referendo, pela Constituição atual o presidente Chávez finalizará seu mandato em 2012, ao invés de 2050, como esperava antes.

Depois de conhecer os resultados preliminares, milhares de venezuelanos saíram às ruas; muitos deles, estudantes universitários que lutaram contra a reforma, e demonstrando alegria entoaram o hino nacional do seu país.

Fontes