Vencedor do Nobel de Medicina diz que COVID-19 surgiu em laboratório

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de abril de 2020

Luc Montagnier em dezembro de 2008

O francês vencedor do Nobel de Fisiologia ou Medicina, Luc Montagnier, provocou uma nova polêmica, afirmando que o vírus SARS-CoV-2 foi criado em laboratório e é resultado de tentativas para criar uma vacina contra o vírus da AIDS.

Em uma entrevista ao canal de notícias francês CNews, Montagnier disse que o genoma do coronavírus suspeita muito dos elementos do HIV e até dos elementos do "embrião da malária". "O laboratório da cidade de Wuhan é especialista nesses coronavírus desde o início dos anos 2000. Eles têm experiência nessa área", afirmou o professor.

Deve-se notar que há muito tempo circula a teoria de que o vírus SARS-CoV-2 se originou em laboratório. Na semana passada, o presidente dos EUA, Donald Trump, confirmou um relatório de que um novo coronavírus pode ter sido descoberto acidentalmente por um estagiário que trabalha no Instituto de Virologia de Wuhan. Um relatório baseado em fontes não identificadas também afirma que, embora o vírus seja uma cepa natural entre os morcegos e não uma arma biológica, ele foi estudado em um laboratório chinês.

No canal de notícias CNews, foi dito que a transmissão inicial do vírus foi de um morcego para um funcionário do laboratório, que é o mesmo "paciente zero" que acidentalmente espalhou a doença fora do laboratório para pessoas comuns.

O professor Montagnier, junto com Françoise Barré-Sinoussi, descobriu em 1983 o vírus da imunodeficiência humana (HIV). Com seus colegas Harald zur Hausen e Barre-Sinoussi, ele recebeu o Prêmio Nobel de Medicina de 2008 por identificar o vírus da AIDS. A nova declaração do professor sobre a origem do coronavírus causou críticas de cientistas, incluindo seus colegas.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com