Vale instala primeira barreira no Rio Paraopeba

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de fevereiro de 2019

Brasil —

Vale instala primeira barreira no rio Paraopeba

A mineradora Vale, responsável pela barragem que se rompeu no dia 25 de janeiro em Brumadinho (MG), deixando pelo menos 115 mortos, instalou hoje (2) a primeira membrana no Rio Paraopeba. Segundo informações divulgadas pela empresa, a barreira foi colocada próximo à captação de água da cidade de Pará de Minas, a cerca de 40 quilômetros de Brumadinho.

De acordo com a Vale, o sistema de captação de Pará de Minas será protegido por três barreiras de retenção. As outras duas devem ser instaladas até amanhã. “A empresa ressalta que esta é uma medida preventiva, de modo a garantir que o abastecimento de água do município seja contínuo”, diz o informe.

A instalação está prevista no plano de contenção e recuperação apresentado no dia 30 ao Ministério Público e aos órgãos ambientais. As medidas visam mitigar os efeitos do desastre ambiental em três trechos, sendo o de Pará de Minas na terceira parte, que fica entre Juatuba e a Usina de Retiro Baixo. Segundo os estudos, o local tem “potencial de receber os sedimentos ultrafinos”.

A barreira de contenção tem 30 metros de comprimento, com profundidade de dois a três metros. A estrutura de tecido filtrante evita a dispersão das partículas sólidas, como argila, silte e matéria orgânica, que provocam a turbidez da água.

As cortinas contêm correntes metálicas na parte submersa, que permitem que o tecido permaneça na posição vertical mesmo com o fluxo do rio. Uma boia cilíndrica fica na superfície, o que contribui para a contenção de elementos suspensos na água.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati