Vítima de abuso sexual integra comissão do Vaticano para proteção de crianças

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Domo da Basílica de São Pedro

22 de março de 2014

Marie Collins, irlandesa vítima de abuso sexual por um padre, vai integrar a Comissão de Proteção às Crianças, órgão instituído pelo papa Francisco para combater a pedofilia, anunciou hoje (22) o Vaticano. Em comunicado, o papa revelou os primeiros oito nomes dos integrantes da comissão, anunciada em 5 de dezembro de 2013.

Além de Marie, que tem sido porta-voz na defesa dos direitos das vítimas, o grupo é formado por quatro homens e quatro mulheres, incluindo o cardeal norte-americano Sean O'Malley, que tem defendido as vítimas norte-americanas; a francesa Catherine Bonnet, especialista em psicologia e psiquiatria; a inglesa Sheila Hollins, professora de psiquiatria; o jurista italiano Claudio Papale; a ex-primeira-ministra da Polônia Hanna Suchocka; o jesuíta argentino Humberto Miguel Yáñez; e o jesuíta alemão Hans Zollner, decano da faculdade de psicologia da Universidade Gregoriana.

"O dever principal dessas pessoas será preparar o estatuto da comissão, onde estarão definidas suas funções e competências. Esse grupo ainda será integrado por outros membros, de várias partes do mundo", diz o comunicado da Santa Sé.

A comissão terá o dever de informar a situação das crianças que sofreram abuso, sugerir medidas para serem adotadas e propor nomes de pessoas adequadas para a implantação sistemática destas novas iniciativas, incluindo laicos e religiosos que tenham experiência no contato com as vítimas e na aplicação de leis que protejam os menores de idade.

O grupo também deve instituir protocolos de segurança, códigos de conduta, o controle de antecedentes criminais e avaliações psiquiátricas para o ministério sacerdotal, além de colaborar com as autoridades civis para a identificação de possíveis crimes.

Em fevereiro, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um relatório em que acusa a Santa Sé de permitir o abuso sexual de milhares de crianças e de ser conivente com os responsáveis. Milhares de crianças foram abusadas sexualmente por padres em vários países, particularmente na Irlanda e nos Estados Unidos, principalmente, entre 1960 e 1990.



Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati