Vítima da ELN confirma pacto entre a guerrilha e governo de Hugo Chávez

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de fevereiro de 2008

O engenheiro e geólogo Jorge Andrés Sierra, vítima de seqüestro da guerrilha marxista do Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN) disse que existe um pacto de não-agressão entre a guerrilha e o governo da Venezuela do Presidente Hugo Chávez.

Andrés Sierra permaneceu seqüestrado em poder da ELN durante 20 meses. Atualmente vive como exilado em Paris. O geólogo deu uma entrevista para Herbin Hoyos do programa radiofônico Colombia Universal da Rádio Caracol.

Durante a entrevista, Sierra disse depois que foi seqüestrado pela ELN foi levado até as selvas venezuelanas porque segundo ouviu da boca dos guerrilheiros, "era território amigo".

Sierra disse que enquanto estava captivo na Venezuela, às vezes ele via helicópteros de autoridadades uniformizadas venezuelanas sobrevoarem o local e em vão pedia socorro: "Quando sobrevoavam os helicópteros militares venezuelanos, os pilotos colocavam a mão para fora da janela e saudavam os guerrilheiros. Eu gritava que era um seqüestrado, e me diziam que se eu escapasse a Guarda Nacional venezuelana me entregaria de volta para a ELN".[1]

O engenheiro e geólogo Jorge Andrés Sierra declarou que na Venezuela ainda existem pelo menos outros seis colombianos captivos da ELN.


Referências

  1. Em espanhol Entrevista do engenheiro seqüestrado para a Rádio Caracol

Fontes