União Europeia discute medidas antiterror

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de janeiro de 2015

União Europeia

O debate em torno da luta antiterrorista deverá dominar a reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, marcada para segunda-feira (16), em Bruxelas. Segundo a agenda do evento, os presentes, entre eles o coordenador antiterrorista do bloco, Gilles de Kerchove, discutirão maneiras de reforçar a luta contra o terrorismo.

Antes mesmo de o governo belga deter 13 pessoas em uma operação antiterrorista deflagrada ontem (15), o tema já constava da agenda do encontro – principalmente devido à sequência de atentados ocorridos na semana passada na França. A grande operação deflagrada ontem, na Bélgica, tinha como objetivo desmantelar uma célula terrorista que, segundo as autoridades belgas, planejava “matar policiais”. Dois supostos terroristas foram mortos.

Hoje, o Partido Popular Europeu, maior grupo político do Parlamento Europeu, pediu que a União Europeia (UE) aja com urgência para enfrentar a ameaça de militantes fundamentalistas islâmicos e novos ataques terroristas. Segundo a eurodeputada Monika Hohlmeier, os recentes ataques terroristas na França e a ameaça que paira sobre a Europa exigem uma “ação rápida da UE para localizar terroristas e antecipar-se a novos ataques”.

Em um comunicado à imprensa, a eurodeputada alemã defendeu a necessidade de adoção de medidas que permitam maior controle das fronteiras para, nas suas palavras, pôr fim à “impunidade” dos jihadistas que transitam entre os Estados-Membros da União Europeia, regressando da Turquia, da Síria ou do Iêmen para a Europa.

Monika defende a necessidade de o Parlamento Europeu aprovar o projeto do Registro de Nome de Passageiros. Conhecido pela sigla PNR (do inglês passenger name record), o projeto está bloqueado no Parlamento Europeu desde 2011, devido à falta de garantias de proteção a esses dados, recolhidos pelas companhias aéreas durante o processo de reserva e registro e que passariam a ser transmitidos às autoridades.

Além da oposição do Parlamento Europeu, o projeto enfrenta dificuldades também na Justiça europeia. Em 2014, o Tribunal de Justiça Europeu recusou outra proposta de compilação de dados afirmando que a coleta maciça de informações sobre pessoas que não são suspeitas de qualquer crime é desproporcional e viola o direito dos cidadãos à privacidade.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati