União Europeia discute medidas antiterror

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de janeiro de 2015

União Europeia

O debate em torno da luta antiterrorista deverá dominar a reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, marcada para segunda-feira (16), em Bruxelas. Segundo a agenda do evento, os presentes, entre eles o coordenador antiterrorista do bloco, Gilles de Kerchove, discutirão maneiras de reforçar a luta contra o terrorismo.

Antes mesmo de o governo belga deter 13 pessoas em uma operação antiterrorista deflagrada ontem (15), o tema já constava da agenda do encontro – principalmente devido à sequência de atentados ocorridos na semana passada na França. A grande operação deflagrada ontem, na Bélgica, tinha como objetivo desmantelar uma célula terrorista que, segundo as autoridades belgas, planejava “matar policiais”. Dois supostos terroristas foram mortos.

Hoje, o Partido Popular Europeu, maior grupo político do Parlamento Europeu, pediu que a União Europeia (UE) aja com urgência para enfrentar a ameaça de militantes fundamentalistas islâmicos e novos ataques terroristas. Segundo a eurodeputada Monika Hohlmeier, os recentes ataques terroristas na França e a ameaça que paira sobre a Europa exigem uma “ação rápida da UE para localizar terroristas e antecipar-se a novos ataques”.

Em um comunicado à imprensa, a eurodeputada alemã defendeu a necessidade de adoção de medidas que permitam maior controle das fronteiras para, nas suas palavras, pôr fim à “impunidade” dos jihadistas que transitam entre os Estados-Membros da União Europeia, regressando da Turquia, da Síria ou do Iêmen para a Europa.

Monika defende a necessidade de o Parlamento Europeu aprovar o projeto do Registro de Nome de Passageiros. Conhecido pela sigla PNR (do inglês passenger name record), o projeto está bloqueado no Parlamento Europeu desde 2011, devido à falta de garantias de proteção a esses dados, recolhidos pelas companhias aéreas durante o processo de reserva e registro e que passariam a ser transmitidos às autoridades.

Além da oposição do Parlamento Europeu, o projeto enfrenta dificuldades também na Justiça europeia. Em 2014, o Tribunal de Justiça Europeu recusou outra proposta de compilação de dados afirmando que a coleta maciça de informações sobre pessoas que não são suspeitas de qualquer crime é desproporcional e viola o direito dos cidadãos à privacidade.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati