União Africana apela a acção urgente após ataque em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por VOA News

A União Africana (UA) apelou na quinta-feira (31/03) a uma ação internacional urgente e coordenada após um ataque jihadista que matou dezenas e deslocou milhares na cidade costeira de Palma, no norte de Moçambique.

Os jihadistas capturaram Palma a 24 de Março, saqueando edifícios e decapitando residentes e forçando milhares a procurar segurança na floresta. Dezenas de pessoas foram mortas, mais de 8.000 deslocados e muitos outras continuam desaparecidos após o ataque coordenado visto como a maior escalada de uma insurgência islâmica que assolou a província de Cabo Delgado desde 2017.

Em comunicado, o presidente da UA, Moussa Faki Mahamat, disse que "condena nos termos mais veementes os ataques terroristas". Expressando "a maior preocupação" com a presença de grupos extremistas internacionais na África Austral, ele apelou a uma "ação regional e internacional urgente e coordenada".

O bloco regional da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral realizou conversações de emergência em Harare para discutir a violência. O presidente do Botswana, Mokgweetsi Masisi, prometeu ajuda regional, mas não deu detalhes. Ele disse que a SADC iria "responder de uma forma útil que asseguramos a integridade e soberania de um dos nossos, para nunca sermos agredidos por forças dissidentes, rebeldes e não estatais que minam as credenciais democráticas e a paz na região."

Mas o presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, pareceu minimizar na quarta-feira o último ataque como "não o maior", apesar da sua proximidade sem precedentes do maior projeto de investimento de África. Palma fica a cerca de 10 quilómetros de um projeto multibilionário de gás natural liquefeito (GNL) liderado pela francesa Total e envolvendo outras empresas internacionais.

A Total já havia suspendido as operações e evacuado alguns funcionários no final de Dezembro, depois que os jihadistas lançaram uma série de ataques perto de seu complexo.

Moçambique enviou tropas para Palma para tentar recapturar a cidade. Os jihadistas de Cabo Delgado causaram estragos em toda a província em uma tentativa de estabelecer um califado. Os insurgentes são filiados ao grupo do Estado Islâmico, que reivindicou o ataque a Palma esta semana.

Notícia Relacionada[editar]

Fonte[editar]


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit