Trump não vai deportar jovens e quer colaborar com a Rússia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

24 de janeiro de 2017

O novo porta-voz da Casa Branca Sean Spicer disse em sua primeira conferência de imprensa que o governo de Donald Trump está disposto a cooperar com a Rússia na luta contra os jihadistas do Estado islâmico (EI).

Ele acrescentou que o presidente dos Estados Unidos não tem a "prioridade" de deportar jovens sem documentação de permanência no país que chegaram aos Estados Unidos quando crianças (conhecidos como "sonhadores"), e que o ex-presidente Barack Obama concedeu permissão de permanecer no país.

O porta-voz também disse que Trump ainda está determinado a "construir um muro" na fronteira com o México e "está fazendo tudo que pode para instruir as agências e o Congresso para começar este trabalho o mais rápido possível", sem dar mais detalhes.

Em sua primeira conferência de imprensa, Spicer respondeu uma pergunta sobre a possibilidade de Trump acabar com a ordem executiva de Obama conhecido como DACA, que protegia os chamados "sonhadores", jovens imigrantes que estão em situação ilegal no paìs.

A primeira coisa que vamos fazer é instruir as agências para se concentrar naqueles {ilegais) que têm um registo criminal ou representam uma ameaça para o povo americano. Essa será a prioridade e, em seguida, vamos continuar examinando o que fazer com outras pessoas que estão aqui ilegalmente.

Sean Spicer

Com essa breve resposta, o porta-voz não descartou que Trump possa cancelar a ordem executiva de Obama que permitiu que aproximadamente 750.000 jovens imigrantes ilegais ter a garantia de que não serão deportados, embora sem regularizar a sua situação de imigração, algo que só poderia fazer o Congresso dos Estados Unidos.

No entanto, Trump pode acabar com o decreto de Obama e ainda assim não deportar os "sonhadores" que simplesmente perderiam a garantia de proteção que lhes deu a segurança e permitiu-lhes continuar sem receio de serem deportados em seus estudos e carreiras.

Depois de vencer as eleições em 8 de novembro, Trump disse que iria expulsar os que tem antecedentes criminais, cerca de três milhões, de um total de 11 milhões de imigrantes ilegais que ele prometeu expulsar durante a campanha eleitoral.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati