Trump apresenta hoje as suas prioridades ao congresso

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

28 de fevereiro de 2017

Presidente adianta que será um discurso de otimismo

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai definir ante o Congresso na noite desta terça-feira, 28, os seus planos para o seu primeiro ano de mandato, com destaque para a reforma do sistema de saúde e um aumento na defesa.

O discurso a Câmara dos Deputados será a maior oportunidade que Trump já teve de se impor diante de uma audiência imensa no horário nobre e detalhar a sua agenda depois de um primeiro mês caracterizado por conflitos com a imprensa.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, disse que o tema do discurso ao Congresso de maioria republicana será "a renovação do espírito americano" e que terá como cerne a forma de resolver os problemas dos norte-americanos comuns.

"Ele irá convidar os americanos de todos os setores a se unirem a serviço de um futuro mais forte e mais brilhante para a nossa nação", detalhou Spicer na segunda-feira.

Em entrevista concedida à Reuters na semana passada, Trump disse que será um discurso de otimismo, "apesar de eu ter herdado uma confusão total".

O Presidente irá enfrentar uma série de questões.

Os detalhes sobre sua proposta de reformulação do plano de saúde de seu antecessor, Barack Obama, ainda não foram divulgados, e ele ainda tem que explicar como irá financiar um aumento acentuado nos gastos pretendidos para a reconstrução de estradas e pontes do país.

As suas propostas de redução de impostos para milhões de pessoas e empresas ainda não foram esboçadas, a sua estratégia de renegociação de acordos comerciais internacionais não é clara e, na segunda-feira, ele recebeu uma proposta do Pentágono para combater os militantes do Estado Islâmico sobre a qual precisa decidir nos próximos dias.

Um plano de aumento nos gastos de defesa inclui a exigência de que agências federais sem ligação direta com a área reduzam custos para compensar o investimento, como reduções dolorosas que devem ser confrontadas no Congresso.

Alguns republicanos afirmaram que a elevação nos gastos de defesa não basta para as necessidades dos militares.

O decreto presidencial a impedir temporariamente a entrada de imigrantes de sete países de maioria muçulmana nos Estados Unidos devido a razões de segurança nacional desencadeou protestos e foi revogado por tribunais federais, mas Trump deve assinar um decreto de substituição na quarta-feira, 1 de março.

Notícia Relacionada

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati