Toyota abandona a Fórmula 1

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jarno Trulli dirigindo sua Toyota em 2009.

4 de novembro de 2009

A retirada da equipe japonesa da Fórmula 1, Toyota F1 Team, no final desta temporada devido à crise econômica mundial já é oficial. Há um ano depois de que outra grande japonesa, a Honda, também deixou a competição. Na temporada 2009 alcançou o quinto lugar na classificação final dos construtores, subindo no pódio em cinco ocasiões, graças a seus pilotos Jarno Trulli e Timo Glock sendo uma de suas melhores temporadas.

A saída da Toyota deixa a porta aberta a outras equipes para participar na competição. Uma das candidatas é a escuderia Qadback Sauber, que está aguardando como equipe reserva.

O comunicado oficial da matriz, Toyota Motor Corporation, foi conciso e breve: "Toyota Motor confirma sua saída do Mundial de F1 de forma imediata". A decisão foi tomada depois de uma difícil situação econômica que padeceu, de facto, março passado (fim de ano fiscal da empresa), a empresa japonesa teve suas primeiras perdas na história, perdas que também são aguardadas para este ano.

Outras marcas japonesas como Suzuki e Subaru também anunciaram na sua época sua saída do Campeonato Mundial de Rallys por motivos similares. Por sua vez, Bridgestone, única marca oficial de pneus da Fórmula 1 anunciou a sua saída.

A Toyota contava com um dos orçamentos mais importantes da competição, apesar de não haver vencido nunca o campeonato. Somente em 2008, investiram a cifra de 300 milhões de euros.

A equipe assegura em seu comunicado que tratará de alcançar a melhor solução para os empregados de sua escuderia e aqueles que são afetados pela retirada da Fórmula 1. O veterano Jarno Trulli pode anunciar sua saída, enquanto que Timo Glock pode acompanhar o finlandês Robert Kubica na Renault. O futuro do terceiro piloto, Kamui Kobayashi, é mais incerto, apesar de mostrar boas habilidades nas últimas duas corridas, ao sustituir Timo Glock.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati