Toma posse novo governo na Grécia; futuro do país sob governo da Esquerda Radical SYRIZA provoca especulações no mundo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

26 de janeiro de 2015

Grécia

A vitória do partido de esquerda Syriza nas eleições parlamentares da Grécia ontem (25) e a posse de hoje (26) de seu líder, Alexis Tsipras, como primeiro-ministro, geraram grande volume de opiniões e especulações hoje pelo mundo. Com a declaração, no primeiro discurso de Tsipras no cargo, de que a Grécia "deixou para trás a desastrosa austeridade" e toda a sua campanha eleitoral neste sentido, há quem admita a saída da Grécia da zona do euro.

Para a professora de economia da Fundação Getulio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro Virene Matesco, a situação requer cautela e tempo para avaliar os próximos passos do governo recém-eleito. “O momento é de cautela por parte dos observadores. Precisamos esperar para ver o que vai acontecer. A Grécia se comprometeu a prestar contas do resgate de 240 bilhões de euros. Não dá para dizer que o governo simplesmente vai abandonar as medidas de austeridade, até porque isso significaria a saída do país da zona do euro.” “Ele [Tsipras] acaba de ser eleito e vai começar a conversar. Não acredito que deva tomar todas as medidas radicais anunciadas na campanha. O mundo hoje é globalizado. Nenhum governante governa para seu país, mas para o mundo”, avalia Virene.

Após sua vitória, Tsipras afirmou que “o veredicto do povo grego significa o fim da troika", a estrutura de supervisão da economia da Grécia constituída pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que desde 2010 avalia as medidas impostas ao país em troca de empréstimos de 240 bilhões de euros. A professora da FGV diz que uma eventual saída da Grécia da zona do euro não traria problemas econômicos para o bloco porque a economia grega é pequena, mas poderia trazer danos políticos.

“O problema seria o enfraquecimento da estrutura geopolítica da União Europeia. A Alemanha, que é grande defensora e protetora institucional da moeda única, sairia prejudicada”, ressalta Virene, que acredita que a Grécia também sairia perdendo. “A Grécia tem dívida pública de 180% do PIB [Produto Interno Bruto]. O Japão tem dívida de mais de 200%. O problema não é o tamanho da dívida, mas a reputação do país. O mercado está disposto a financiar quem tem credibilidade. No caso da Grécia, a fonte de credibilidade é justamente integrar a zona do euro.”

Tsipras, de 40 anos, o mais jovem chefe de governo da Grécia em 150 anos, ao mesmo tempo em que declarou o fim da troika e da “desastrosa austeridade”, demonstrou sua intenção de negociar com os credores do país “uma solução justa, viável, duradoura, que beneficie a todos”. No juramento de posse, o novo primeiro-ministro prometeu aplicar a Constituição e as leis e trabalhar sempre pelo interesse geral do povo grego. Quebrando a tradição, Tsipras participou da cerimônia sem gravata, como normalmente se veste, e, por ser ateu, não prestou juramento religioso com a bíblia perante o líder da Igreja Ortodoxa grega.

Apesar das declarações de Tsipras, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, felicitou hoje o primeiro-ministro grego e disse que a União Europeia (UE) continua empenhada em ajudar a Grécia a colocar sua economia no caminho da sustentabilidade. No dia 12 de fevereiro, em Bruxelas, sede da UE, Tsipras já participará de uma reunião informal entre chefes de Estado e de governo do bloco, que será presidida por Tusk.

Notícia Relacionada

"Esquerda Radical SYRIZA vence as eleições parlamentares na Grécia", Wikinotícias, 25 de janeiro de 2015.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati