Testemunha vincula Bolsonaro a um dos suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Em um video, um Bolsonaro visívelmente enfurecido rechaçou qualquer vinculação com o assassinato da vereadora Franco.
Foto: Palácio do Planalto.

30 de outubro de 2019

Uma reportagem do Jornal Nacional da TV Globo revelou que o porteiro do condomínio no Rio de Janeiro, onde morava o então deputado federal Jair Bolsonaro, afirmou que um dos suspeitos do assassinato da vereadora de esquerdista Marielle Franco, foi ao edifício e pediu visitar o pré-candidato presidencial no mesmo dia do homicídio.

A testemunha indicou que Élcio Queiroz, acusado de dirigir o veículo de onde foi disparado contra a Franco, visitou o local e disse querer reunir-se deputado. Segundo o porteiro, foi «o senhor Jair» quem autorizou sua entrada. Há, no entanto, registros de que Bolsonaro se encontrava esse dia na Câmara dos Deputados de Brasília. De acordo com a narração do testemunho, Queiroz se dirigiu à casa de outro residente, o ex-policial Ronnie Lessa, que morava na mesma urbanização, acusado de ser o autor dos disparos.

Horas depois, a vereadora Marielle Franco, conhecida por suas denúncias contra a violência policial nas favelas e sua defesa de minorias sexuais, foi baleada, juntamente com seu motorista, Anderson Gomes, no centro da cidade. A reportagem é baseada em declarações às quais a rede de televisão Globo teve acesso. Em resposta, o presidente publicou um vídeo, visivelmente enfurecido, rejeita qualquer conexão com o assassinato: «Vocês, TV Globo, sempre faz da minha vida um inferno, merda!». «Não vai dar certo, não tenho motivos para matar ninguém no Rio de Janeiro».

«O porteiro mentiu ou induziu o porteiro a cometer falso testemunho ou escreveu algo em investigação que o porteiro não leu e assinou», afirmou o presidente diretamente de Riad, na Arábia Saudita, parte de seu turnê pela Ásia e Oriente Médio. Nesta quarta-feira, Bolsonaro pediu ao ministro da Justiça, Sergio Moro, que a Polícia Federal investigasse o testemunho do porteiro, que chegou a se qualificar de «fantasma».

Segundo detalha Europa Press, Moro tem indicou que poderia haver «uma tentativa eventual de implicação indevida do nome do Presidente da República no crime em questão». O presidente também tem levantado a possibilidade de retirar a licença à Globo, que ele acusa de fazer «jornalismo podre». O próprio meio lamentou em comunicado as declarações de Bolsonaro e afirmou que sua única intenção era informar a opinião pública.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati