Tensões religiosas na Índia pedem boicotes

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

15 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As tensões religiosas na Índia levaram alguns ativistas, dentro e fora do segundo país mais populoso do mundo, a pedir um boicote aos produtos indianos e à Qatar Airways.

Na sexta-feira, milhares de muçulmanos marcharam em Bangladesh e Paquistão cantando slogans, entre outras coisas, para boicotar todos os produtos indianos em países muçulmanos.

“A comunidade muçulmana global está unida. Pedimos ao mundo inteiro que boicote os produtos indianos”, disse Moulana Imtiaz Alam, líder de um partido islâmico de Bangladesh, citado pela Associated Press.

Separadamente, alguns ativistas hindus usaram a hashtag #boycottqatarairways para expressar raiva contra comentários supostamente islamofóbicos de membros do Partido Bharatiya Janata (BJP) da Índia.

Dentro da Índia, a polícia prendeu centenas de pessoas no sábado depois que dois adolescentes muçulmanos morreram com tiros e vários outros ficaram feridos nas semanas de protestos de muçulmanos em diferentes partes do país.

Desde sua ascensão ao poder, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, líder do BJP, foi acusado de alimentar as tensões hindu-muçulmanas, uma acusação que ele e seus apoiadores rejeitaram repetidamente.

Cerca de 14,2% da população de 1,3 bilhão da Índia é muçulmana.

Especialistas dizem que os pedidos de boicotes e a forte reação das nações muçulmanas às últimas tensões religiosas da Índia provavelmente não afetarão as relações comerciais e econômicas de Nova Délhi com o mundo muçulmano.

A Índia manteve fortes laços econômicos com os países muçulmanos, particularmente as nações ricas em petróleo do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC).

Apesar de uma grande queda no volume de comércio Índia-GCC em 2020 devido à pandemia de COVID-19, as exportações do GCC para a Índia saltaram rapidamente para US$ 98 bilhões e as importações atingiram US$ 40 bilhões em 2021, segundo o Instituto Internacional de Finanças (IIF).

Mais de 8 milhões de trabalhadores e expatriados indianos trabalham na região do GCC, representando mais de US$ 26 bilhões em remessas anuais.

“Os expatriados representam mais da metade do total de trabalhadores estrangeiros no GCC”, disse Garbis Iradian, economista do IIF. “O rápido desenvolvimento dos países do GCC nas últimas duas décadas, incluindo infraestruturas, deve-se aos trabalhadores estrangeiros, particularmente da Índia.”

Fortes laços econômicos provavelmente resistirão às atuais tensões religiosas e políticas entre a Índia e as nações do GCC, dizem os especialistas.

Fontes