Temporal espalha destruição e morte na Ilha da Madeira

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


22 de fevereiro de 2010

Um forte temporal, o maior desastre natural em 100 anos, abateu-se sobre a madeira durante a madrugada de sábado, dia 20, provocando uma destruição sem precedentes, e causando dezenas de vitimas mortais e desalojados.

Eram cerca das 3 da madrugada quando começaram as fortes precipitações e ventos superiores a 100 km/h, sendo que de acordo com o instituto de meteorologia, "Os valores mais elevados de precipitação acumulada numa hora registados nas estações Funchal-Observatório e Pico do Areeiro foram respectivamente 52 mm (entre as 09:00 e as 10:00) e 58 mm (entre as 10:00 e as 11:00)". As chuvas intensas, provocaram deslizamentos de terra e inundações, que deixaram várias infraestruturas inutilizadas, para além de estarem contabilizados até ao momento 42 vitimas mortais, sendo que o numero deve aumentar com o desenrolar das missões de busca e salvamento.

O presidente do governo regional, Alberto João Jardim, declarou que foram organizados alojamentos de emergência e o fornecimento de alimentos e roupas às famílias que tiveram que abandonar as suas casas. Entretanto foram enviados para a ilha elementos da protecção civil e forças militares de Portugal para ajudar as buscas, e iniciar o processo de recuperação.

A engenharia militar portuguesa irá proceder a instalação de pontes militares entre outros equipamentos para permitir o transporte de ajuda, e tentar reestabelecer a normalidade possível, enquanto elementos da protecção civil encontram-se a ajudar o processo pós incidente. Ainda hoje em conselho de ministros o governo irá decretar luto nacional por três dias, estando a estudar a hipótese de declarar zona de catástrofe.

A noticia correu o mundo inteiro, tendo tido reflexo na generalidade dos media mundiais.


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati