Temporão condena uso indiscriminado de medicamento contra gripe suína, chamando de “disparate” e que Gripe A H1N1 é responsável por 60% dos casos de gripe

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Notícias relacionadas
Pessoas na Cidade do México vestindo máscaras em um trêm pelo vírus H1N1
Mais informações sobre a Gripe:


Agência Brasil

3 de agosto de 2009

Rio de janeiro, RJ, Brasil

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, condenou hoje (3) a distribuição indiscriminada do Tamiflu, indicado para o tratamento da influenza A (H1N1), gripe suína. Ele voltou a defender que os órgãos públicos sigam com rigor o protocolo do ministério para o tratamento da doença.

“A distribuição indiscriminada é uma grave irresponsabilidade social. Pensando que está defendendo a saúde pública, pode estar condenando centenas de pessoas à morte”, afirmou durante o anúncio de recursos para unidades de pronto-atendimento no Palácio Guanabara, zona sul do Rio.

Ele também criticou a análise de especialistas que incentivam a distribuição do remédio por hospitais.

O ministro explicou que a distribuição sem controle estimula a automedicação e pode provocar a resistência do vírus. “Corre-se o risco de perder a única arma para combater a doença.”

O ministro Temporão informou que embora cause menos mortes do que a gripe comum, gripe representa 60% dos casos de gripe no país. Segundo Temporão, nos próximos dias há uma tendência “natural” de aumento no número de casos. “O vírus está se disseminando”, disse. Mas, garantiu que o sistema público de saúde está bem preparado, inclusive com estoque adequado de medicamento.

O ministro também explicou que com a disseminação da doença e com a semelhança nos sintomas e no tratamento, a exigência de testes para diferenciar as gripes é desnecessária.


Esse [exigir o exame] é outro disparate [o primeiro é o uso indiscriminado do medicamento Tamiflu]. Nenhum país está mais fazendo isso. É uma medida irresponsável do ponto de vista de gasto e impossível, do ponto de vista logístico. Só tem uma empresa que fabrica o kit no mundo e ela não tem sequer condições de oferecê-lo a todos os governos.
José Gomes Temporão, Ministro da Saúde


Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati