Taiwan realiza comício para marcar o 33º aniversário do protesto pró-democracia de Tiananmen

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

4 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Centenas de cidadãos taiwaneses se reuniram em Taipei no dia 4 para comemorar o 33º aniversário dos protestos pró-democracia de Tiananmen.

Cidadãos se reuniram na Praça da Liberdade de Taipei para homenagear as vítimas da sangrenta repressão das autoridades chinesas na época e pedir democracia na China.

Os manifestantes, em particular, enfatizaram a solidariedade e o apoio aos ativistas pró-democracia em Hong Kong e na China, revelando uma nova estátua memorial chamada ‘Pilar da Vergonha’ para comemorar os manifestantes pró-democracia de Tiananmen que foram demolidos no ano passado.

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, postou no Facebook uma foto de uma vigília à luz de velas em memória das vítimas dos protestos pró-democracia de Tiananmen e de mãos dadas, criticando fortemente as medidas antidemocráticas tomadas pelas autoridades de Hong Kong.

A presidente Tsai Ing-wen disse que em Hong Kong, onde uma vigília à luz de velas foi realizada durante anos para comemorar os protestos pró-democracia de Tiananmen, não houve inscrição para um comício este ano e estátuas relacionadas foram removidas de várias universidades sem saber o motivo.

Ela enfatizou que esses meios violentos não podem apagar a memória das pessoas e, à medida que a democracia é ameaçada e o autoritarismo se espalha, mais devemos proteger e compartilhar os valores democráticos.

Em Hong Kong, onde a influência do Partido Comunista Chinês foi muito reforçada, a Reuters e a mídia local relatam que é difícil realizar uma manifestação para comemorar o Protesto pela Democratização de Tiananmen como no passado, devido à estrita vigilância policial e bloqueios em áreas-chave.

O Protesto pela Democratização de Tiananmen foi um incidente no qual o governo chinês usou a força para reprimir estudantes universitários e cidadãos que exigiam democratização na Praça Tiananmen em Pequim em 4 de junho de 1989. Discussões e atos comemorativos são estritamente proibidos.

A China não divulgou o número de vítimas mortas na sangrenta repressão do Exército de Libertação Popular na época, mas grupos internacionais de direitos humanos e testemunhas oculares apontaram que o número de vítimas está na casa dos milhares.

Fontes