Suprema Corte dos EUA anula condenações por fraude em Kelly versus Estados Unidos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8 de maio de 2020

Ontem, a Suprema Corte dos Estados Unidos anulou as condenações criminais de Bridget Anne Kelly e William Baroni por crimes relacionados a um incidente de 2013 envolvendo caos de tráfego supostamente motivado por razões políticas em um importante acesso de ponte de Nova Jersey a Manhattan. Kelly, então vice-chefe de gabinete do governador de Nova Jersey}, Chris Christie, e Baroni, então diretor executivo adjunto da Autoridade Portuária de Nova Iorque e Nova Jersey,[1] foram ambos anteriormente condenados por fraude por suas ações.

Membros atuais da Suprema Corte dos EUA.
Imagem: Fred Schilling.

O caso girou em torno das condenações de Kelly e Baroni após o "escândalo Bridgegate" de 2013 em Fort Lee, Nova Jersey. Em setembro de 2013, por quatro dias, o tráfego "terrestre parou" (como a decisão da Suprema Corte colocou) em parte da Ponte George Washington, uma entrada em Manhattan, administrada pela Autoridade Portuária. Durante décadas, três das doze faixas de acesso à ponte haviam sido reservadas na hora do rush da manhã para passageiros vindos das ruas de Fort Lee. Mas nesses quatro dias, apenas uma única pista foi reservada. Os funcionários públicos que ordenaram a mudança alegaram que estavam reduzindo o número de faixas dedicadas para realizar um estudo de tráfego. A decisão da Suprema Corte declarou que o fizeram por uma razão política: punir o prefeito de Fort Lee por se recusar a apoiar a candidatura à reeleição do governador de Nova Jersey.

A Suprema Corte procurou determinar se as ações de Kelly e Baroni se qualificaram como fraude de propriedade nos termos dos estatutos federais. O tribunal unânime decidiu que suas ações não se qualificaram, revertendo as condenações e devolvendo o caso ao Tribunal de Apelações do Terceiro Circuito.[2]

Ao escrever para a Corte, a juíza da Suprema Corte, Elena Kagan declarou na opinião da maioria, "nem todo ato corrupto de autoridades estaduais ou locais é crime federal. Como o esquema aqui não pretendia obter dinheiro ou bens, Baroni e Kelly não poderiam ter violado as leis de fraude do programa federal ou de fraude eletrônica".

Referências[editar]

  1. Port Authority of New York and New Jersey
  2. United States Court of Appeals for the Third Circuit

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com