Suplicy sugere que Battisti se defenda pessoalmente no STF

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

18 de novembro de 2009

Os senadores e deputados que estiveram na tarde de ontem (17) no presídio da Papuda, em Brasília, pediram ao ex-ativista político italiano, Cesare Battisti, que ele continue tomando soro, conforme recomendações médicas. A ideia é de que ele tenha condições físicas de falar hoje (18) no Supremo Tribunal Federal (STF), caso os ministros da Corte aceitem a sugestão, feita pelo senador Eduardo Suplicy (PT-SP), para que o italiano tenha oportunidade de se defender pessoalmente na retomada do seu julgamento de extradição.

Em greve de fome desde a última sexta-feira (13), Battisti havia aceitado tomar soro ontem, mas decidiu suspender o tratamento para tentar sensibilizar o presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, que deve proferir hoje seu voto no processo de extradição.

O julgamento está empatado, com quatro ministros a favor da concessão de refúgio político ao italiano e outros quatro defendendo a tese de que Battisti cometeu crimes comuns e, portanto, deve voltar a seu país.

“Insistimos a ele [Battisti] que aceitasse receber o soro, sobretudo, para que possa estar com forças amanhã se, porventura, os ministros aceitem ouví-lo”, disse Suplicy. O petista informou à Agência Brasil que encaminhou hoje a Gilmar Mendes o discurso que fez na tribuna do Senado pedindo que fosse concedido a Battisti o direito de falar pessoalmente no STF antes do voto do presidente da Corte.

Suplicy contou que o italiano está abatido fisicamente, mas confiante na decisão do STF. “Ele está mais abatido fisicamente, um pouco enfraquecido e mais magro. Entretanto, ele está moralmente forte e confiante de que o Supremo deverá tomar uma decisão favorável ao direito de refúgio”, disse o senador, que é favorável à concessão de asilo político ao ex-ativista.

Battisti foi condenado à prisão perpétua na Itália, em 1993, acusado de quatro assassinatos. Exilado, viveu na França, no México e foi preso em 2007 no Brasil. Em janeiro, o ministro da Justiça, Tarso Genro, concedeu refúgio político a ele.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati