Sul do Malawi registra aumento contínuo de casos de cólera

26 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O sul do Malawi começou a registrar um aumento nos casos de cólera, que as autoridades de saúde atribuem às inundações de uma recente tempestade tropical e ciclone. Mais de 30 pessoas foram infectadas e duas morreram. O UNICEF está intervindo para reduzir a propagação da doença.

Malawi confirmou o primeiro caso de cólera em 2 de março no distrito de Machinga.

As autoridades de saúde dizem que a doença atingiu até agora os distritos de Nsanje e Machinga, no sul do Malawi, com um número acumulado de casos chegando a 33. Houve duas mortes até sexta-feira.

“Dos 33 casos, oito casos ainda estavam recebendo tratamento no centro de tratamento de cólera, especificamente no centro de tratamento de Ndamera. Também temos um número acumulado de duas mortes. O resto foi liberado”, disse George Mbotwa, porta-voz do Escritório de Saúde do Distrito de Nsanje.

Ele diz que eles adotaram medidas para prevenir e controlar a propagação da doença, como vigilância e rastreamento de contatos.

“Também estamos fazendo educação em saúde; palestras sobre saúde em campos [de evacuação] onde há muitas pessoas e, claro, nas comunidades vizinhas. Também instituímos trabalhadores da saúde; Assistentes de Vigilância Sanitária em todos os pontos de entrada não mapeados onde na verdade eles estão realizando a promoção da saúde em esforços de tratamento de água, palestras sobre saúde e tudo isso”, disse ele.

A cólera é uma infecção diarreica aguda causada pela ingestão de alimentos ou água contaminados com bactérias. A doença afeta crianças e adultos se não for tratada e pode matar em poucas horas. A cólera é mais comum durante a estação chuvosa.

As autoridades de saúde do Malawi dizem que a doença é em grande parte resultado das inundações causadas pela tempestade tropical Ana e pelo ciclone Gombe, que atingiu o Malawi nos últimos dois meses.

Estere Tsoka, especialista em emergências da agência infantil da ONU, UNICEF, no Malawi, disse à VOA que o UNICEF está fazendo várias intervenções para controlar a propagação da doença.

“A UNICEF está a apoiar a desinfeção das fontes de água domésticas e também a cloração das fontes de água a nível das comunidades afetadas pelas cheias. O UNICEF também está apoiando o saneamento dos centros de tratamento de cólera que foram estabelecidos para que não se tornem uma fonte de infecção”, disse ela.

Tsoka também diz que estão em andamento planos para adquirir uma vacina contra a cólera. “Também há planos para administrar a vacina oral contra a cólera em oito distritos do país. E o UNICEF está fornecendo apoio para trazer as vacinas para o país e também apoiando os processos de planejamento para a campanha nacional da vacina.”

Maziko Matemba, o embaixador nacional da saúde no Malawi, diz que a cólera pode ser prevenida se as estruturas de saúde comunitárias forem financeiramente capacitadas para desempenhar eficazmente a sua tarefa de educar as comunidades sobre questões de higiene e saneamento, particularmente em áreas propensas a inundações.

“Porque já sabemos que normalmente temos cólera e também inundações mais especialmente naquela parte do Malawi porque é uma área baixa e nossos rios explodem quando as chuvas vêm mais do que o esperado”, disse Matemba.

O Ministério da Saúde disse em comunicado esta semana que está distribuindo cloro para as comunidades nas áreas afetadas para tratamento de água, além de enviar informações de controle da cólera a todas as pessoas por meio de vários canais de comunicação.

Fontes