Sexta Megamarcha em Oaxaca

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Segundo outros editores do projeto este artigo não respeita o Código de Ética do Wikinotícias e pode conter informação de fonte não confiável. Por causa disso, deve-se ter bastante cautela quanto à veracidade dos acontecimentos ora aqui narrados que são da total responsabilidade, inclusive judicial, única e exclusivamente do usuário Haomon.

6 de novembro de 2006

¡Oaxaca no es cuartel, fuera ejército de él!
Oaxaca, México.

Dezenas de milhares de pessoas foram ontem às ruas de Oaxaca, estado mexicano onde ocorre desde maio uma insurreição popular, clamar pela retirada da Polícia Federal Preventiva e, mais uma vez, pela destituição de Ulises Ruiz Ortiz do governo do estado.

Organizada pela Assembléia Popular dos Povos de Oaxaca (APPO) e com lideranças também do Comitê de Familiares e Amigos dos Desaparecidos, Assassinados e Presos Políticos (Cofedappo), a sexta Megamarcha contou com a presença de povoados locais, como de Nochixtlán, Huajuapan, Tlaxiaco, Teposcolula, Tamazulapan, Guelatao, Ixtlán, Tlacolula, Mitla, Juchitán, Matías Romero e da serra Mixe, além de movimentos sociais de todo o México, como dos estados de Michoacán, Chiapas, Veracruz, do Distrito Federal.[1]

Partindo do monumento a Benito Juárez, os manifestantes andaram nove quilômetros em direção ao centro da cidade, quando, evitando confrontos, desviaram dois quarteirões do Zócalo, o centro da cidade, aonde a polícia montou barricadas e está concentrada desde o último domingo. Durante o percurso milhares de pessoas juntaram-se à marcha ou deram apoio aos manifestantes.

¡Já caiu, já caiu, Ulises já caiu!


Não se sabe exatamente quantas pessoas compareceram à Megamarcha. Os meios de mídia independentes falam em 500 mil a 1 milhão de pessoas, segundo os policiais, apenas 6 mil e 900 pessoas foram às ruas, os grandes meios não precisaram, mas, segundo a Agência EFE e o El Universal, o povo ocupava mais de dois quilômetros.

Não houve confrontos sérios entre manifestantes e policiais. Porém, um pequeno grupo de manifestantes embuçados atacou a polícia com pedras em certo ponto da cidade, mas, a pedido de uma líder da APPO, Bertha Muñoz, cessaram a agressão.

Ver também

Referências

  1. http://news.bbc.co.uk/hi/spanish/latin_america/newsid_6117000/6117946.stm

Fontes