Seul, Xangai e Moscou fizeram o melhor na crise da COVID-19

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de setembro de 2020

O estudo elaborado por especialistas da Escola Superior de Economia (HSE), apontou as megacidades que melhor enfrentaram as consequências da pandemia de COVID-19.

Os especialistas avaliaram as 15 maiores megacidades do mundo em três parâmetros: a situação do mercado de trabalho, a recuperação da atividade econômica após o afrouxamento e o nível da infraestrutura digital. Os analistas atribuíram as notas mais altas a Seul e Xangai, e Moscou ficou com na terceira posição.

Os especialistas enfatizam que as megacidades asiáticas ultrapassaram o pico da epidemia 1 a 2 meses antes da capital russa, e a taxa de incidência nelas foi muito menor. Os cinco primeiros também incluíram Singapura e Estocolmo, graças às restrições mínimas durante a pandemia.

A eficácia de Moscou, Xangai e Singapura deve-se principalmente ao fato de terem conseguido manter a estabilidade no mercado de trabalho e reiniciar rapidamente a economia, dizem analistas. As cidades europeias se encontraram em uma posição perdedora, pois tinham altas taxas de desemprego antes mesmo da pandemia.

A liderança para as cidades asiáticas também foi garantida pelo desenvolvimento da infraestrutura digital, que se mostrou crítica durante o período de restrições, ajudando a garantir o conforto e a segurança dos cidadãos. Entre as cidades europeias, Moscou, Estocolmo e Paris apresentaram bons resultados neste critério.

O número de casos de coronavírus no mundo ultrapassou 27,3 milhões, mais de 893 mil pessoas morreram.

Fontes

Ligação a um site em russo С кризисом из-за коронавируса лучше всех справились Сеул, Шанхай и МоскваPanarmenian, 9 de setembro de 2020

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com