Senador Pedro Simon analisa a crise política no Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de junho de 2005

Brasil

O senador do PMDB Pedro Simon concedeu entrevista para a Rádio Senado e fez uma análise pessoal da crise política que instaurou-se no Brasil.

Na opinião do senador a crise é muito séria e ele disse que ela foi criada pelo próprio governo: O interessante que se saliente é que não é uma crise que foi criada pela imprensa, nem pela oposição. Ela foi criada dentro do próprio governo. Por exemplo, esse fato aí das mesadas, foi um presidente de partido que há poucos dias atrás o Presidente da República disse que assinava um cheque em branco para ele. A outra, em que se pediu a CPI dos bingos, é um cidadão funcionário da Casa Civil [Ministério], e saiu na televisão as revelações dele.

Segundo o senador, a crise está a ter uma grande repercussão porque o partido do governo, Partido dos Trabalhadores (PT), durante muito tempo defendeu a ética como patrimônio do partido. O senador disse que antes das eleições se temia que o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva "avançasse demais", como por exemplo: romper com o FMI ou "exagerar na na dose da desapropriação da reforma agrária". Contudo, segundo o senador, ninguém esperava que houvessem denúncias de corrupção no governo e que ele tentasse acobertá-las.

Segundo David Stival, que é presidente estadual do PT do Rio Grande do Sul, no governo do Presidente Lula nunca se fez tanto, em tão pouco tempo, para combater a corrupção. Ele disse que "em dois anos do governo Lula já foram presas 1.234 pessoas acusadas de participação em esquemas de corrupção". Ele alega que depois que foram apresentadas as provas, o governo agiu e demitiu os funcionários envolvidos no escândalo dos Correios.

Fontes