Secretário do Tesouro do Reino Unido diz que a maioria dos cortes de impostos foram retirados

Fonte: Wikinotícias
Liz Truss em 2021

17 de outubro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O recém-nomeado secretário do Tesouro anunciou no dia 17 que os cortes de impostos da primeira-ministra Liz Truss foram anulados.

O secretário do Tesouro, Jeremy Hunt, desistiu da maioria das mudanças econômicas de Truss, incluindo cortes de impostos e ajuda energética, em um discurso televisionado nesta manhã.

Mais cedo, a primeira-ministra Truss anunciou um plano de ajuda energética de dois anos de £ 100 bilhões (cerca de US$ 110 bilhões), juntamente com um corte de impostos de £ 45 bilhões (cerca de US$ 51 bilhões).

O secretário do Tesouro Hunt disse que compartilha profundamente a ideia de que as pessoas deveriam ter mais renda, mas disse que não é certo pedir dinheiro emprestado para financiar cortes de impostos quando o mercado pede finanças públicas sustentáveis.

O secretário do Tesouro, Hunt, disse que a nova política tributária pode arrecadar 32 bilhões de libras (cerca de US$ 36 bilhões) por ano. Mas ele disse que não haverá cortes nos gastos públicos.

Acontece que o atual plano de apoio à energia durará apenas até abril do próximo ano.

O secretário do Tesouro, Hunt, disse estar "muito confiante" nas perspectivas econômicas de longo prazo do Reino Unido.

A primeira-ministra Truss disse no Twitter que tomou novas medidas para promover o crescimento com estabilidade.

Depois que a política fiscal revisada foi anunciada, a libra subiu até 1,4% durante o dia.

O anúncio da primeira-ministra Truss de cortes de impostos havia derrubado a libra, forçando o Banco da Inglaterra a tomar medidas urgentes no dia 11 para estabilizar o mercado.

Enquanto isso, a Associated Press apontou que, embora o anúncio tenha acalmado os mercados financeiros, a autoridade de Truss está enfraquecendo.

A primeira-ministra Truss demitiu o ex-secretário do Tesouro Quaji Kwateng na semana passada.

Fontes