Secretário da ONU para as alterações climáticas apresenta demissão

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de fevereiro de 2010

Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


Yvo de Boer, o Holandês que ocupava desde Setembro de 2006 o lugar de secretário-executivo da Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (CMNUCC) pediu hoje a demissão, abandonando o cargo a 1 de Julho, data onde passará para o sector privado.

«Foi uma decisão difícil, mas acho que chegou o momento de assumir um novo desafio, a trabalhar sobre o clima e a sustentabilidade no sector privado e académico», confidenciou De Boer em comunicado, de acordo com o diário espanhol El País.

Yvo de Boer, em 2007

«Copenhaga não nos deu um acordo claro em termos jurídicos, mas o compromisso político de os países se dirigirem para um mundo com baixas emissões é irrevogável. Isto requer novas parcerias com o sector empresarial e agora tenho a oportunidade de contribuir para que tal aconteça», acrescentou ainda, no referido comunicado.

Este anúncio surge dois meses depois da Cimeira de Copenhaga, considerada uma decepção por vários sectores, e permitirá, segundo a AP, que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon tenha tempo para encontrar o seu sucessor antes da cimeira no México que se realizará em Dezembro deste ano. Contudo, ainda ajudará a coordenar os esforços negociais, enquanto não terminar o seu mandato.

Apesar de várias noticias terem surgido relacionando o seu abandono com o fracasso da Cimeira de Copenhaga, em declarações a BBC afirmou que o fracasso da ultima cimeira nada teve a ver com esta demissão, e que mesmo antes da cimeira já se encontrava a procura de um novo desafio.

Antes de ocupar o lugar de secretário-executivo da Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, Yvo de Boer foi director-geral adjunto do Ministério do Ambiente holandês, vice-presidente da Comissão das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável e consultor do Banco Mundial e do governo chinês.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati