Secretário da Defesa dos EUA Donald Rumsfeld visita o Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LocationBrazil.png

26 de março de 2005

Brasil

Na terça-feira (22 de março) o Secretário da Defesa dos Estados Unidos da América Donald Rumsfeld chegou ao Brasil para conversar com o Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, o Vice-presidente e Ministro de Defesa José Alencar, e outros funcionários superiores.

Em uma reunião com o Presidente Lula da Silva e o seu Vice-presidente e Ministro da Defesa, José Alencar, o sr. Rumsfeld discutiu o papel do Brasil na liderança das forças militares das Nações Unidas no Haiti, terrorismo e tráfico de drogas.

Rumsfeld contou a jornalistas da AFP: "Os Estados Unidos têm como prioridade quatro tópicos, cuja discussão concordamos em levar adiante: a aplicação de uma lei de abate [de aviões de traficantes de drogas], as operações [das Nações Unidas] no Haiti, o tráfico de drogas e a luta contra o terrorismo, incluindo a posição do Brasil na segurança da América do Sul."

Conferência com a imprensa

Rumsfeld e Alencar participaram de uma conferência com a imprensa em Brasília, capital do Brasil.

Rumsfled afirmou que a amizade entre o Brasil e os Estados Unidos existe há muito tempo e é bastante importante. Acrescentou que os EUA e o Brasil foram aliados durante a Segunda Guerra Mundial e parceiros na ajuda para a construção de instituições chave no pós-guerra, entre elas as Nações Unidas.

Jornalistas perguntaram a José Alencar e Rumsfeld se eles estão preocupados com o Presidente Venezuelano Hugo Chávez, principalmente depois do anúncio que ele compraria cerca de 100 mil rifles de assaulto AK-47.

Rumsfeld disse:

Certamente estou preocupado. Se alguém pensar a respeito, a discussão que está realizando-se, no meu entendimento, é acerca de algo em torno de 100 mil [fuzis] AK-47 a ser transferidos provavelmente da Rússia para a Venezuela. Não sei se é para valer, mas li e ouvi as discussões a respeito. Não somente na imprensa, mas bilateralmente. Não posso imaginar o que ocorrerá com esses 100 mil AK-47. Não consigo imaginar por que a Venezuela precisa de 100 mil AK-47. Somente espero, pessoalmente, que [a compra] não aconteça. Não vejo como isso pode contribuir para a segurança do hemisfério.

Alencar respondeu:

O Brasil sempre defendeu e continua defendendo a autodeterminação dos povos e a não intervenção. Obviamente, aqui no Brasil, que é um país historicamente pacífico, é óbvio que nós preferimos aprofundar de forma crescente as nossas relações diplomáticas e comerciais com os outros países, com o objetivo de alcançar o bem comum.

O presidente Lula está programado para encontrar o Presidente Hugo Chávez, o Presidente da Colômbia Alvaro Uribe Velez e o primeiro ministro de Espanha, José Luiz Zapatero na proxima terça-feira em Ciudad Guayana, na Venezuela. O encontro servirá para selar a paz e o fortalecimento das relações diplomáticas entre a Colômbia e a Venezuela, que sofreram um abalo, após a prisão do embaixador das FARC Rodrigo Granda.

O secretário de Relações Internacionais do Partido dos Trabalhadores (PT), Paulo Ferreira, não gostou das críticas de Rumsfeld ao presidente venezuelano:

A declaração de ontem no Brasil não contribui para um processo de estabilização das relações dos Estados Unidos com a América Latina. É de uma mentalidade que, infelizmente, ainda está presente no estado americano, que considera a América Latina uma extensão de seu território. [1]

Rumsfeld louvou a liderança brasileira nas operações das Nações Unidas no Haiti que servem para manter a ordem no país depois da queda do ex-Presidente Jean Bertrand Aristide, em fevereiro de 2004.

Um repórter perguntou a Rumsfeld se o Brasil está pronto para ter um assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Ele respondeu dizendo que o Departamento da Defesa não tem uma voz ativa, nem é responsável por esta matéria que deve ser respondida pelo Presidente dos Estados Unidos e a Secretária de Estado.

FARC e SIVAM

Os jornalistas perguntaram ao vice-presidente Brasileiro José Alencar três vezes se o Brasil declarará as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) como uma organização terrorista e se o governo brasileiro está preocupado com a possível infiltração das FARC no território brasileiro. Alencar foi evasivo e recusou responder às perguntas diretamente. Ele apenas disse:"Somos a favor da paz. Claro que nós, à distância, não podemos fazer juízo dessa coisa. Mas, adotar o crime como meio de levantar recursos obviamente é uma ação nefasta que deve ser combatida."

Alencar chegou demonstrar impaciência com a insistência da pergunta sobre as FARC e a certo momento disse:"Só falta agora eu pegar uma arma na mão. Porque já falei o que tinha que falar, sem mais esclarecimentos." [2]

O Secretário de Defesa dos Estados Unidos Donald Rumsfeld visitou ainda o SIVAM, o Sistema de Vigilância da Amazônia. O SIVAM, que foi construído com a ajuda da empresa americana Raytheon Corporation, é um conjunto de sensores e radares interligados para monitorar as condições climáticas e as atividades criminais na região amazônica.

Segundo o Partido Comunista do Brasil (PCdoB), aproximadamente 60 ativistas protestaram no Amazonas contra a visita de Rumsfeld quando ele visitava o SIVAM.

Renato Rabelo, o Presidente do PCdoB liberou uma nota que repudia a visita do Secretário dos Estados Unidos:"O Partido Comunista do Brasil repudia a presença em território nacional do secretário da Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld. O indesejado visitante é um dos principais expoentes do governo tirânico e imperialista dos Estados Unidos", diz um trecho da nota.

Fontes