Santas casas e hospitais beneficentes protestam por mais recursos do SUS

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de setembro de 2014

Brasil

Procedimentos médicos que estavam agendados nas santas casas e hospitais beneficentes foram parcialmente suspensos como protesto por mais recursos do Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com a Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas (CMB), 60% das 2,1 mil entidades que prestam esse atendimento no país aderiram à mobilização.

De cinco santas casas com as quais a Agência Brasil entrou contato, apenas a do Recife aderiu à manifestação e remarcou procedimentos. Em São Paulo, Belo Horizonte e Curitiba, o protesto foi simbólica, com funcionários vestidos de preto e faixas na entrada do prédio, mas todas as consultas e cirurgias marcadas foram mantidas. O Pará também não aderiu. Na avaliação do Ministério da Saúde, a paralisação foi pontual.

O presidente da CMB, Edson Rogatti, explica que o objetivo da ação é reivindicar reajustes no tabela de procedimentos, pois os valores pagos estão muito abaixo dos custos reais. “[O valor] está defasado há mais de dez anos. Paga-se por uma consulta R$ 10 e o custo dela chega a R$ 50, R$ 60. Essa defasagem na tabela vem proporcionando uma crise financeira”, explicou. Segundo ele, a dívida anual das Santas Casas chega a R$ 7 bilhões.

Rogatti fala em uma dívida total de R$ 17 bilhões, dos quais 44% seriam dívidas com o sistema financeiro, 26% corresponde a tributos federais e 6% são dívidas trabalhistas. A entidade avalia que esse quadro não terá solução apenas com o Programa de Fortalecimento das Santas Casas (Prosus), do governo federal, que prevê a quitação dos débitos tributários das instituições que aderirem à iniciativa em até 15 anos.

Em julho deste ano, a Santa Casa de São Paulo – o maior centro de atendimento filantrópico da América Latina – fechou o pronto-socorro e suspendeu as cirurgias eletivas e os exames laboratoriais, o que afetou cerca de 6 mil pessoas. Dois dias após a suspensão dos serviços, depois de a Secretaria de Estado da Saúde anunciar a liberação de R$ 3 milhões emergenciais, a Santa Casa reabriu a emergência.

A entidade informou à época que tinha uma dívida de aproximadamente R$ 50 milhões com fornecedores de remédios e materiais – incluindo todas as despesas, os débitos somavam R$ 400 milhões. O Ministério Público Estadual instaurou um inquérito civil para investigar a suspensão dos serviços de saúde da unidade.

O Ministério da Saúde informou, por meio de nota, que vem adotando medidas para o fortalecimento dos hospitais filantrópicos e Santas Casas e que o financiamento não se resume ao pagamento da tabela SUS. O órgão destaca que os repasses federais tiveram crescimento de 57% em quatro anos, representando um incremento de R$ 5 bilhões desde 2010. De acordo com o ministério, neste ano, essas instituições devem receber R$ 13,6 bilhões do governo federal.

A nota reforça que a “prioridade deve ser o paciente e que o Ministério da Saúde exigirá que todos os serviços essenciais à população – como atendimentos de urgência, oncológicos, hemodiálise e diálise – sejam garantidos”.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati