São Tomé e Príncipe continua refém das divergências entre os políticos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

10 de julho de 2015

“Os políticos não se entendem. Estamos numa degradação total e corremos o risco de ficar sem referências,” reclama Costa Carlos, Secretário-geral da União Geral de Trabalhadores de São Tomé e Príncipe.

Carlos revela-se agastado com a forma como o país é gerido. “Não existe nenhuma política que olha para a parte social. Nem quero de salários,” diz o sindicalista, que considera que falta de responsabilização dos que cometem erros desanima a classe trabalhadora.

As diferenças entre os políticos agudizaram após as primeiras eleições legislativas, em 1991, que marcaram o início era da democracia multipartidária.

Analistas defendem que os políticos devem deixar as suas diferenças e pensar no desenvolvimento do país, o que estes concordam, pelo menos, publicamente.

Miguel Trovoada, primeiro presidente da era democrática, é um dos que concordam: “Somos pequenos, conhecemos uns aos outros; as mágoas e feridas levam muito tempo a cicatrizar. Se insistirmos muito nisso não conseguiremos construir uma sociedade consensual e sem essa sociedade não podemos empreender um projecto conjunto.”

O filho de Trovoada, Patrice Trovoada, actual primeiro-ministro, aponta a estabilidade, trabalho e seriedade como condições para o país crescer.

“Nós temos um país com potencial (…) mas cheio de vícios, em que se trabalha pouco (…) essas coisas têm de mudar,” diz Trovoada.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati