São Tomé e Príncipe: Educação e Saúde registam certos avanços, mas falta o salto qualitativo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

9 de julho de 2015

Nos primeiros dias da independência, São Tomé e Príncipe definiu a saúde e educação como pilares do desenvolvimento.

Nas duas áreas foi feito investimento na formação técnico-profissional. E graças à cooperação internacional, centenas de quadros foram graduados no estrangeiro.

É assinalável, por exemplo, a expansão do ensino público a locais onde no tempo colonial não havia.

“O objectivo de alargar o ensino foi alcançado, mas há problemas,” diz José Carlos Trigueiros, um dos técnicos do Ministério da Educação, Cultura e Ciência, que tem acompanhado a evolução do sector.

Trigueiro explica que “o acesso massivo foi feito à custa da qualidade. O nível de ensino hoje é muito baixo e a oferta pública é muito baixa”.

Na área de saúde, os profissionais orgulham-se da capacitação técnica, mas lamentam as deficientes condições de trabalho.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com