Rumsfeld chama Irão de "patrocinador do terrorismo"

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Secretário de Defesa dos EUA Donald Rumsfeld.

4 de fevereiro de 2006

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O Secretário de Defesa dos EUA Donald Rumsfeld disse durante uma conferência internacional sobre segurança em Munique, na Alemanha, que o Governo do Irão é "o principal patrocinador do terrorismo" e que "o mundo deve trabalhar unido numa solução diplomática para evitar o surgimento de um Irão nuclear" e de um "império islâmico global extremista".

Rumsfelf disse: "Nós poderíamos fingir, como algumas pessoas sugerem, que o inimigo não está à nossa porta. Nós poderíamos acreditar, como fazem alguns, que a ameaça é exagerada. Mas aqueles que preferem seguir este ponto de vista devem perguntar: e se estiverem errados? E se neste momento, o inimigo estiver contando que seja substimado, ignorado, e contando com nossa preocupação?".

Rumsfeld também afirmou que os "terroristas têm esperanças de um dia poder transformar o Iraque numa área de recrutamento e treinamento como já foi feito no Afeganistão durante o regime do Talibã".

A Chanceler da Alemanha Angela Merkel disse durante a conferência que o Irão já foi muito longe com o seu programa nuclear e que é necessário evitar através de ações diplomáticas que ele desenvolva armas nucleares.

A União Europeia e os Estados Unidos da América dizem que o Irão está a desenvolver secretamente armas nucleares, mas o Governo do Irão diz que o país pretende desenvolver a tecnologia somente para atividades pacíficas que beneficiem a população.

Rumsfeld afirma que terroristas usam recursos não tradicionais

Durante uma conferência para a imprensa em Washington, DC na quinta-feira (2), o Secretário de Estado dos EUA Donald Rumsfeld declarou que "a guerra contra o terrorismo global é uma guerra de vontade e idéias que está a ser travada através das páginas principais dos jornais e da internet, da mesma forma como ocorre no campo de batalha".

Segundo o secretário, o "inimigo não é uma nação, nem mesmo uma organização específica". Ele lembrou que a Al Qaeda organizou os ataques de 11 de setembro mas que há outras organizações igualmente perigosas. Rumsfeld disse que há pelo menos 18 organizações não directamente ligadas à Al Qaeda que estão a planejar atentados terroristas em Israel, na Arábia Saudia, Paquistão, Argélia, Rússia, Indonésia, em todos os lugares, independente do facto de terem tropas no Iraque.

Rumsfeld disse que "como os EUA não podem ser derrotados no campo de batalha, os terroristas usam recursos não tradicionais ou pouco convencionais de luta assimétrica".

"Os terroristas têm comitês de relacionamento com a mídia. Pensem nisso. Eles levantam de manhã, se reúnem em seus comitês e pensam em como deve agir para manipular a imprensa mundial para tirar vantagem. Eles tem repetidamente demonstrado serem altamente bem sucedidos em manipular a imprensa mudial e daqui deste país, assim como de outros lugares, e de cuidadosamente planejar ataques para depois ilustrar manchetes de jornal no esforço deles de vencer nossa vontade", disse o Secretário de Estado estado-unidense.

Rumsfeld afirmou que "os terroristas operam secretamente em escolas e na internet a fim de espalhar o radicalismo islâmico, que apóiam instituições filantrópicas de fachada para arrecadar fundos e que utilizam falsos passaportes e identidades para que possam viajar mais facilmente".

"E como eles operam nas sombras, sem exércitos visíveis, eles podem esperar por longos períodos entre ataques, e há uma tendência em substimar a ameaça que eles impõem", acrescentou.

Fontes