Ruben Vardanyan para Putin: não destrua seu último aliado

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de outubro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O empresário e filantropo russo de origem armênia, Ruben Vardanyan, apelou ao presidente russo Vladimir Putin, à liderança da Armênia e de Artsaque, à juventude armênia, ao povo da Geórgia, ao povo do Azerbaijão e todo o povo armênio.

Em sua mensagem de vídeo, Vardanyan exortou Putin a intervir nos eventos em Alto Carabaque, pois é do interesse da Rússia.

“Como líder, você pode fazer muito, e sua participação e atitude hoje determinam muito. Este não é um conflito territorial, não é uma guerra entre a Armênia e o Azerbaijão, tudo é muito mais sério. E se tudo acabar em desastre, será uma ferida incurável para a Rússia. Quero que a Rússia compreenda que a participação neste processo é fundamentalmente importante para todo o povo russo. Esta é uma bomba geopolítica que pode explodir na Rússia”, enfatizou Vardanyan.

Dirigindo-se à elite político-militar da Federação Russa, Vardanyan afirmou que eles não fizerem suas obrigações como pessoas que prestaram juramento e possuem valores morais e éticos. “Não destrua seus últimos aliados”, disse ele.

Em discurso à comunidade internacional, o empresário disse que se continuarem a ignorar este conflito, terão uma tempestade que vai destruir toda a ordem mundial: “Vocês não estão fazendo esforços suficientes para parar esta guerra. Acorde”.

Vardanyan disse também que está orgulhoso de ser armênio. “Tenho orgulho que apesar de tudo, todos juntos fazemos o que parece impossível”, concluiu ele.

Na manhã de 27 de setembro, o Azerbaijão atacou a República de Artsaque, com conflitos em toda a fronteira. A infraestrutura civil e civis também foram sujeitos a bombardeios e ataques de azerbaijanos.

Fontes

ru Рубен Варданян - Путину: Не уничтожайте своего последнего союзникаPanarmenian, 6 de outubro de 2020

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com