Revista Time escolhe Joe Biden e Kamala Harris como "Personalidades do Ano"

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

11 de dezembro de 2020

link=mailto:?subject=Revista%20Time%20escolhe%20Joe%20Biden%20e%20Kamala%20Harris%20como%20"Personalidades%20do%20Ano"%20–%20Wikinotícias&body=Revista%20Time%20escolhe%20Joe%20Biden%20e%20Kamala%20Harris%20como%20"Personalidades%20do%20Ano":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Revista_Time_escolhe_Joe_Biden_e_Kamala_Harris_como_%22Personalidades_do_Ano%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Revista+Time+escolhe+Joe+Biden+e+Kamala+Harris+como+"Personalidades+do+Ano"&url=https://pt.wikinews.org?curid=67361 WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=Revista%20Time%20escolhe%20Joe%20Biden%20e%20Kamala%20Harris%20como%20"Personalidades%20do%20Ano"%20–%20Wikinotícias&body=Revista%20Time%20escolhe%20Joe%20Biden%20e%20Kamala%20Harris%20como%20"Personalidades%20do%20Ano":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Revista_Time_escolhe_Joe_Biden_e_Kamala_Harris_como_%22Personalidades_do_Ano%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A revista Time, uma das mais prestigiadas do mundo, escolheu os recém-eleitos presidente e vice dos Estados Unidos, Joe Biden e Kamala Harris, como as Personalidades do Ano de 2020.

A matéria que discorre sobre os dois fala da campanha de reconciliação proposta por ambos, após "quatro anos de uma Casa Branca que atuou como uma máquina de ódio dirigida por celebridades".

"Juntos, eles ofereceram restauração e renovação em um único bilhete. E os Estados Unidos compraram o que estavam vendendo: depois da maior participação em um século, eles acumularam 81 milhões de votos e foram os mais votados da história, superando Trump por cerca de 7 milhões de votos e vencendo em cinco estados de batalha. (...) Biden e Harris compartilham a fé de que a governança empática pode restaurar a solidariedade que perdemos", diz uma parte da reportagem.

Biden e Harris venceram as eleições presidenciais dos Estados Unidos no início de novembro passado, mas desde então Donald Trump ampliou uma campanha em suas redes sociais sobre o pleito ter sido fraudado, o que já foi completamente negado por autoridade eleitorais nos estados, após diversas auditorias e recontagens.

O Twitter e o Facebook têm moderado as postagens de Trump com o aviso de que "esta alegação é contestável".

Notícias Relacionadas

Fontes