Repórteres sem Fronteiras publica a classificação mundial da liberdade de imprensa de 2005

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

22 de novembro de 2005

A organização não governamental Repórteres sem Fronteiras (RSF) publicou a classificação mundial da liberdade de imprensa de 2005. Pode-se ver a evolução de violações de liberdade de imprensa nos últimos anos comparando o relatório deste ano com os dos anos anteriores: 2004, 2003 e 2002.

A primeira posição (lugares em que há melhor liberdade de imprensa) na classificação da RSF está dividida entre os países escandinavos, Irlanda, Países Baixos e Suíça.

O melhor país do continente americano em liberdade de imprensa é Trinidad e Tobago, na décima e segunda colocação, junto à Hungria, Nova Zelândia e Suécia. Destacam-se Canadá (21), El Salvador (28), Costa Rica (41), Bolívia (45), Uruguai (46) e Chile (50). A Argentina ocupa a posição 57, o Brasil 63, Venezuela 90 e a Colômbia 128.

A Espanha (40) lidera a fila da Europa, principalmente pelas ameaças da ETA a "jornalistas que não compartilham seu ponto de vista sobre política internacional ou sobre a situação do País Vasco", e ocasionalmente também por ações do governo, especialmente depois dos atentados de 11 de maio.

A Itália se encontra muito atrás no continente europeu.

EUA ocupam a posição 44, o Japão 37 e a Austrália 31.

As últimas posições da classificação da RSF são ocupadas por Laos, Uzebequistão, Iraque, Vietnã, República Popular da China, Nepal, Cuba, Líbia, Myanmar, Irão, Turquemenistão, Eritréia e Coréia do Norte, nessa ordem.

Segundo a ONG, a classificação demonstra mais uma vez que é possível para países com democracias muito recentes, ou com economias muito modestas, ter um comportamento exemplar em matéria de respeito à liberdade de imprensa, na contramão dos argumentos apresentados por ditadores e governos mais restritivos.

Fontes