Repórteres romenos pedem a libertação de reféns no Iraque

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LocationRomania.png

26 de abril de 2005

Segundo a agência de notícias Reuters, repórteres romenos reuniram-se no centro de Bucareste, na Romênia, no último sábado, 23 de abril, para pedir a libertação dos seus três colegas que foram raptados no Iraque, no mês passado.

Os jornalistas raptados foram três romenos, um da televisão Prima e dois do jornal România Liberă . Sexta-feira, uma fita foi liberada pelos militantes iraquianos que os raptaram dizendo que se o governo romeno não arrancar todas suas tropas do Iraque, os jornalistas serão mortos. Com 860 tropas, a Romênia tem um dos maiores contingentes de forças que não são norte-americanas no Iraque.

Os repórteres romenos que se reuniram em Bucareste sábado pediram a retirada das tropas do Iraque, e também disseram que continuarão a protestar até que os jornalistas sejam libertados. Cristina Topescu, da televisão Prima, disse, "ficaremos aqui até que eles sejam libertados. Estou tentando ser otimista, mas estou assustada por causa daquelas imagens. Contudo, continuo esperando."

O presidente romeno Traian Băsescu disse, depois da liberação da fita, que ele faria todo o possível para salvar as vidas dos jornalistas, ainda que ele tenha sido criticado por muitos romenos por supostamente não fazer o bastante. Anteriormente neste ano, Băsescu tinha dito que ele gostaria de enviar mais tropas ao Iraque, o que poderia fazer da Romênia o quarto maior parceiro da Coalizão.

As pesquisas de opinião pública conduzidas na Romênia mostram que 45 % da população apóia a manutenção das tropas no Iraque. Muitos partidos políticos pediram a retirada das tropas, em particular o Partido Humanista e o Grande Partido Popular da Romênia.

Os representantes da pequena comunidade árabe de Romênia também fizeram campanha pela libertação dos jornalistas, mantendo estandartes mostrando os quadros dos três com a palavra "Liberdade" escrita em romeno, inglês e árabe. Samir Zanun, o líder da comunidade jordaniana na Romênia, disse que "estamos pedindo a libertação incondicional deles e o retorno seguro para casa."

Os Repórteres sem Fronteiras também condenaram o rapto, e disseram que "ao exigir a retirada das tropas romenas do Iraque, os raptores estão pondo mais uma vez jornalistas no centro de uma ação insuportável de extorsão."

Fontes