Reiniciam os protestos em Hong Kong

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

11 de maio de 2020

Manifestantes protestam em um shopping, 9 de maio.

Em Hong Kong, reiniciaram os protestos contra o governo chinês, que começaram em junho de 2019 e foram suspensos por dois meses devido à pandemia de COVID-19. Com o relaxamento das medidas restritivas, os manifestantes voltaram a protestar para solicitar maior autonomia da China e pela renúncia da chefe do executivo Carrie Lam, uma fiel aliada do governo chinês.

O primeiro evento desde o surto aconteceu em 26 de abril, quando centenas de pessoas se reuniram no shopping Cityplaza para manifestarem pacificamente contra a China e exigir a libertação de ativistas presos nos meses anteriores. No entanto, os participantes foram dispersos pela polícia.

A segunda grande manifestação ocorreu ontem, 10 de maio, quando manifestantes ocuparam dezenas de shoppings. O protesto, ao contrário do anterior, foi menos pacífico: para isso, a polícia teve que intervir aplicando multas e prendendo três manifestantes. Durante a tarde, o protesto foi para o distrito comercial de Mong Kok, onde os manifestantes atearam fogo em lixo. Os policiais intervieram com sprays e bastões. No total, 250 pessoas foram presas, incluindo uma autoridade eleita.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com