Rayssa Leal, mais jovem medalhista olímpica da história do Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
2020 Summer Olympics text logo.svg
Jogos Olímpicos de Verão de 2020

3 de agosto de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A brasileira Rayssa Leal, de 13 anos, não é apenas a mais jovem medalhista e atleta olímpica da história do Brasil, com a medalha de prata no cinturão, mas também fez sua história nas Olimpíadas participando de um esporte que foi reconhecido como tal nestas Jogos de Tóquio, patinação de rua ou skate, e que colocam os adolescentes na mira de futuros eventos esportivos.

Mas como se isso não bastasse, Rayssa se tornou um ídolo para milhões de jovens que não só veem o esporte que ele pratica como algo grande, mas porque ele impôs sua própria moda.

E foi esse o assunto que ganhou as manchetes depois que ele voltou para casa quando se encontrou com uma advogada que não conhecia e que havia registrado o apelido de Fadinha, porque ela estava preocupada que empresários inescrupulosos pudessem se aproveitar por Rayssa ter apenas 13 anos.

A advogada Flavia Penido disse que pediu para registrar o apelido que foi dado a Leal após observar a atuação da garota que encantou o Brasil e o mundo durante a competição em Tóquio e logo em seguida consultou as autoridades nacionais para saber se alguém havia registrado o nome para roupas ou equipamentos de skate. Ao descobrir que não havia sido registrado, ele tomou providências para inscrever o apelido no nome da garota.

“Às vezes é preciso tomar decisões rápidas”, disse Penido por meio de sua conta no Twitter. “O interesse obviamente não é financeiro, mas sim para preservar os eventuais direitos da Rayssa e mostrar a importância do marketing e do direito sempre trabalhando juntos”, disse o advogado.

Ao mesmo tempo, Penido disse que estava a dar os direitos ao atleta e que terá de ser a sua família quem tomará as decisões para garantir o seu futuro e garantir que o seu nome ou alcunha não seja utilizado sem o apoio legal.

Notícias relacionadas

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit