Promotoria colombiana conclui que denúncia sobre complô contra Chávez é falsa

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de janeiro de 2006

Colômbia

Um documento enviado pelo Ministro do Interior venezuelano Jesse Chacón, no que se propunha a verificação de uma série de reuniões no que conhecidos personagens colombianos e venezuelanos planejavam um complô para derrocar ou, ao menos, desestabilizar o regime de Hugo Chávez, resultou ser "apócrifo e carente de credibilidade".

O relatório, de 5 páginas, número de ordem de trabalho 612 e com data do 25 de agosto de 2005, foi elaborado, supostamente, por pesquisadores do Corpo Técnico de Investigações (CTI) da Promotoria da Colômbia em Barranquilla.

No mesmo, são citadas reuniões ocorridas entre 22 e 23 de julho de 2005 na sede do Departamento Administrativo de Segurança (DAS) da Colômbia. Os participantes seriam Jorge Alberto Noguera, então diretor do DAS destituído em outubro, Manuel Roseiras, governador do estado venezuelano de Zulia, Pedro Carmona, empresário que liderou o fracassado golpe de Estado de 2002 na Venezuela, alguns militares dos dois países e integrantes das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC).

O relatório enviado por Chacón foi supostamente assinado por Gustavo Bairros e Luis Guerrero, pesquisadores do CTI, e Glemis Ortiz, chefa da Seção de Informação e Análise (SIA) do CTI de Barranquilla.

As investigações da Promotoria da Colômbia não conseguiu comprovar a autenticidade e o conteúdo do documento. Bairros, Guerrero e Ortiz, afirmaram desconhecer a existência do relatório. Foram realizados exames grafológicos, os quais determinaram que não foram eles que assinaram o documento.

Apesar de comprovada a falsidade do documento, Jesse Chacón disse: "[isso] não significa que a reunião não existiu. Vamos prosseguir a investigação mas é bom que saibam que houve sim reuniões no ano passado na Colômbia em instituições públicas onde se conspirou contra o governo venezuelano".

O Presidente Hugo Chávez tinha denunciado em novembro e dezembro de 2005 a "fabricação de conspirações" contra a Venezuela pelo DAS.


Ver também

Fontes