Primeiro-ministro de Luxemburgo, Xavier Bettel, hospitalizado com COVID-19

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
Xavier Bettel (à esquerda, cabelo castanho) usando uma máscara facial em 18 de outubro de 2020.
Imagem: User:GilPe.

O primeiro-ministro de Luxemburgo, de 48 anos, Xavier Bettel foi internado no hospital no domingo como medida de precaução após teste positivo para COVID-19 em 27 de junho.

De acordo com um comunicado de imprensa do Ministério de Estado do Luxemburgo, o primeiro-ministro "fará testes e análises adicionais durante a sua estada" e permanecerá sob observação médica por 24 horas, salvo indicação em contrário.

Bettel testou positivo para COVID-19 depois de participar de uma reunião do Conselho Europeu na vizinha Bruxelas, Bélgica, em 25 de junho com outros líderes da União Europeia. Precauções contra COVID-19 foram observadas, incluindo o distanciamento social e o uso de máscaras faciais, o que significa que nenhum dos outros líderes manteve "contato próximo".

Vários líderes mundiais, incluindo os primeiros-ministros da Bélgica, França, Espanha, Portugal e o presidente do Conselho Charles Michel mantiveram isolamento social depois que o primeiro-ministro esloveno Igor Matovič e o presidente francês Emmanuel Macron testaram positivo para COVID-19 em dezembro.

Bettel relatou inicialmente sintomas leves, como febre e dor de cabeça, após os testes produzirem resultados positivos, de acordo com a Delano.lu. Ele planejou isolar-se por dez dias a partir de 27 de junho e realizar suas funções por meio do teletrabalho.

Bettel recebeu sua primeira dose da vacina Oxford/AstraZeneca em 6 de maio e planejava receber sua segunda injeção este mês, relatou Delano.lu.

Luxemburgo experimentou um aumento acentuado nas infecções por COVID-19 nos últimos dez dias, de acordo com The Guardian. 136 pessoas testaram positivo para o vírus no sábado; de acordo com Delano.lu, novos casos diários não ultrapassavam 100 desde 18 de maio. A maioria dos novos casos são atribuídos à variante Delta, mais infecciosa: 59,4% em 2 de julho.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit